Unida recorre às MPs 701 e 707 para revalidar a subvenção da cana

Print Friendly, PDF & Email

 

Com a volta dos trabalhos no Congresso Nacional, a União Nordestina dos Produtores de Cana (Unida) se reúne com presidentes e relatores das Medidas Provisórias (MPs) 701/15 e 707/15 nesta terça-feira (1). As MPs possuem emendas do deputado federal Givaldo Carimbão (PROS-AL), defendendo a prorrogação da lei da subvenção da cana do NE e do RJ, vencida em 2015 e não paga pela União. O deputado Sergio Souza (PMDB-PR) e o senador Fernando Bezerra Coelho (PSB/PE) são os presidentes das MPs respectivamente. Já os relatores são o senador Douglas Cintra (PTB/PE) e o deputado  Marx Beltrão (PMDB/AL).

“A nossa esperança é que os parlamentares ajude a reverter a injustiça que a presidente Dilma Rousseff fez com o setor canavieiro ao não pagar um benefício posto na lei 12.999/2014 (subsídio da cana)”, diz Alexandre Andrade Lima, presidente da Unida, que confirma o encontro com cada um dos políticos nos gabinetes deles em Brasília.

A referida lei garante a cada produtor R$ 12 por tonelada de cana fornecida na safra 2012-2013 – período auge da maior seca dos últimos 50 anos. No entanto, esta lei tinha sua validade só até o ano passado. E agora precisa de prorrogação para que o governo federal possa pagar o subsídio aos 30 mil produtores beneficiados nela. Portanto, a contribuição dos presidentes e relatores das referidas MPs 701 e 707 é fundamental para que seja restabelecida a validade desta lei.

“Vamos apresentar aos políticos a relevância das emendas do deputado Carimbão nas referidas MPs, a fim de evitar a penalização dos agricultores que amargam significativos prejuízos desta a última grande estiagem, onde descapitalizou o setor, limitante o investimento no campo, com negativos efeitos produtivos e socioeconômicos na Zona da Mata canavieira.      Assessoria Unida