Opinião/Setor sucroenergético busca elevar demanda por etanol biocombustível

Print Friendly, PDF & Email

O setor sucroenergético brasileiro iniciou 2024 com a expectativa de elevar a competitividade dos etanóis frente à gasolina C nos postos e incentivar os consumidores a optarem pelo biocombustível no ato do abastecimento.

É claro que os biocombustíveis têm papel fundamental na diminuição das emissões de CO2 na atmosfera e na transição energética do País, assunto em foco de praticamente todos os eventos atuais do setor.

Nesse cenário, neste ano, a Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar e Bioenergia) iniciou uma campanha nacional que tem como objetivo incentivar os consumidores a abastecerem com etanol, evidenciando os benefícios que o combustível renovável oferece ao planeta. A campanha vem sendo divulgada nas redes sociais, por meio de influenciadores digitais, nas rádios e na TV, utilizando o bordão “vai de etanol”.

Iniciativas e políticas públicas de incentivo ao consumo dos biocombustíveis têm surgido em diversos estados. Na Paraíba, a assembleia legislativa aprovou em abril a campanha chamada de “Etanol no Tanque, Progresso no Horizonte”, que incentiva o abastecimento com etanol combustível limpo e renovável e fortalece o setor sucroenergético.

Em Minas Gerais, em janeiro deste ano, foi criada a política estadual de incentivo ao consumo do etanol, chamada “Na hora de abastecer, escolha o etanol”, estabelecendo que os órgãos e entidades públicos estaduais priorizem o abastecimento dos veículos flex com o biocombustível.

Além do etanol produzido a partir da cana-de-açúcar, o etanol obtido a partir do milho segue em crescente produção no Brasil e tem sido visto como alternativa para o abastecimento doméstico, sobretudo do mercado nos estados do Norte e Nordeste no período de entressafra da cana.

De acordo com a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a produção do etanol de milho avançou 33,1% da safra 2022/23 para 2023/24, atingindo 5,92 bilhões de litros. Para a temporada 2024/25 (iniciada oficialmente em abril/24), estima-se que a produção seja de 6,8 bilhões de litros de etanol de milho, considerando-se todo o território nacional, ainda segundo dados da Conab.

No Nordeste, especificamente, já é perceptível na ponta varejista o aumento do consumo do etanol comparado ao ano passado. Segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, gás Natural e Biocombustíveis), o crescimento no volume de etanol consumido em Pernambuco foi de 58%; em Alagoas, de 30%; e, na Paraíba, de 54% (aqui foi considerado o período de setembro/23 a março/24 da safra 2023/24 com o mesmo período de 2022/23). Em relação à paridade nas bombas, pode-se dizer que, para os três estados produtores, a relação média entre o biocombustível e a gasolina C está em torno de 71% neste ano-safra (setembro/23 a abril/24). Já na safra 2022/23, a paridade média ficou entre 75,6% e 77,6% na mesma comparação.

*Talita Costa Negri – Pesquisadora do Cepea

Veja Também

Artigo/ Agro brasileiro: Produtividade, competitividade e sustentabilidade

Os agricultores europeus tinham diversos motivos para protestarem nas ruas, no final de 2023 e …