Nardini Agroindustrial inaugura unidade em Aporé (GO)

Print Friendly, PDF & Email

A empresa vai gerar mil empregos diretos na região, com moagem estimada de 900 mil toneladas de cana-de-açúcar, 80 milhões litros de etanol e 55 mil MW de energia elétrica excedente

Com investimentos em torno de R$ 800 milhões, a Nardini Agroindustrial, empresa do setor sucroenergético, inicia a suas operações na unidade no município de Aporé, no Sul de Goiás.  Nessa nova operação a companhia estima moer, na safra atual, 900 mil toneladas de cana-de-açúcar. Serão criados na região mais de dois mil empregos, sendo que a metade deles diretos. Na primeira safra serão produzidos 80 milhões de litros de etanol hidratado. Também, serão gerados, a partir do bagaço da cana, 55 mil MW excedentes de energia elétrica.

O Grupo Nardini possui sede no município de Vista Alegre do Alto, no Estado de São Paulo. Fundada em 1973 por Aurélio Nardini, a companhia cresceu sob os pilares da excelência em gestão, tecnologia e sustentabilidade. Em cinco décadas de história a empresa se tornou uma das melhores do setor sucroenergético nacional, produzindo açúcar, etanol, levedura e energia por meio da CEN – Companhia Energética Nardini, além de amendoim e soja.

A decisão de construir uma nova unidade da empresa, em Aporé (GO), remonta a 2007. Tratou-se de uma escolha estratégica, uma vez que a direção da companhia vislumbrou a oportunidade de expandir os negócios na região do Sul de Goiás, onde a Nardini investia no ramo da pecuária. O impulso veio com o incentivo governamental, por meio do Programa Produzir, do Governo do Estado de Goiás. Em 2021, foi lançada a pedra fundamental para a construção da indústria, quando as obras foram intensificadas.

A Nardini, preocupada com o desenvolvimento das comunidades vizinhas à empresa, aposta na contratação e capacitação de mão de obra local. Aposta, ainda, no desenvolvimento sustentável, uma vez que promove ações de educação ambiental para conscientizar a população sobre a importância desse tema. Também está impulsionando ações de apoio a projetos sociais e culturais nas comunidades locais.

“O nosso propósito é o de implementar tecnologias limpas e sustentáveis na produção e operação da empresa. Faremos o uso de fontes renováveis de energia, com a biomassa da cana, utilizando sistemas de tratamento de resíduos e água”, explica o presidente da empresa Riccardo Nardini. No que se refere a investimentos, ele revela que “para esta primeira fase de moagem de cana foram investidos em torno de R$ 800 milhões, sendo R$ 300 milhões na área agrícola e R$ 500 milhões na área industrial”.

A nova unidade da Nardini em Aporé, que está sendo inaugurada, foi submetida a um rigoroso planejamento de atividades. “Queremos, logo após essa primeira safra, continuar expandindo, aumentar o plantio de cana, ampliar a moagem e produção de etanol, bem como de energia elétrica”, esclarece o presidente. Nessa linha, ele projeta que “na primeira safra deste ano devemos moer 900 mil toneladas de cana e produzir 80 milhões de litros de etanol e gerar 55 mil MW de energia”.

O presidente já projetou os números da próxima safra. “Devemos moer um milhão e 150 mil toneladas de cana e produzir 103 milhões de litros de etanol e gerar 75 mil MW de energia excedente”, informa. Para alcançar tais resultados, a empresa pretende “aprimorar os processos e aumentar a capacidade de produção com tecnologias de ponta, treinamento e capacitação das equipes, desenvolvimento de novos produtos, expansão do mercado, sem se descuidar de ações nas áreas de responsabilidade social e ambiental”.

Estes quesitos estão ancorados, segundo lembra o presidente, no apoio a projetos sociais locais, como iniciativas de capacitação profissional e geração de emprego e renda, visando a qualidade de vida da população local, tendo em vista contribuir para o desenvolvimento econômico da região. “Vamos, também, incentivar projetos de conservação ambiental, como a preservação de mata nativa”, argumenta Nardini.  (Assessoria) 

Veja Também

SIAMIG Bioenergia e ONG Impar lançam Campanha de Prevenção a Incêndios Rurais

Na temporada de incêndios, quando a estiagem é mais rigorosa e o ar seco aumenta …