Home » Sucroenergético » Geração de eletricidade de cana até abril atenderia 1,6 mi de residências por um ano

Geração de eletricidade de cana até abril atenderia 1,6 mi de residências por um ano

Print Friendly, PDF & Email

A geração de energia renovável e sustentável pelo setor sucroenergético de janeiro a abril de 2020 conseguiria atender, por um ano, um total de 1,6 milhão residências no país. Essas são informações trazidas por um levantamento da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) apontando que, nos primeiros quatro meses deste ano, a produção de bioeletricidade sucroenergética para a rede foi de 3.030 GWh, crescimento de 13% em comparação com o mesmo período de 2019.

O resultado ocorreu por conta do aumento da moagem registrado no início da safra na região Centro-Sul propiciado pelas condições climáticas favoráveis à operacionalização da colheita. No acumulado da safra 2020/2021 até 1 de junho, a moagem alcançou 144,82 milhões de toneladas, contra 128,97 milhões contabilizadas em igual período do ciclo anterior – incremento de 12,29%.

Em termos de capacidade instalada de geração, o setor sucroenergético detém atualmente 11.709 MW, superando a capacidade da usina Belo Monte (que é 11.233 MW), o que representa em torno de 7% da potência outorgada no Brasil e 76% da fonte biomassa em geral.

“A capacidade de geração do setor sucroenergético é estratégica para a matriz elétrica brasileira, pois a produção de bioeletricidade se concentra no período de seca no Centro-Sul, o que ajuda a poupar a água presente nos reservatórios. Portanto, além de ampliar a economia circular da cana, aproveitando subprodutos, ajudamos a reduzir a necessidade de acionamento de térmicas que utilizam combustíveis fósseis e têm um custo maior para o consumidor”, explica Zilmar de Souza, gerente de bioeletricidade da UNICA.

Estima-se que essa energia renovável de 3.030 GWh tenha evitado a emissão de mais de 1 milhão de toneladas de CO2, marca que somente seria atingida com o cultivo de 7,2 milhões de árvores nativas ao longo de 20 anos. Trata-se também de uma geração equivalente a ter, no período de janeiro a abril deste ano, poupado 2% da energia armazenada sob a forma de água nos reservatórios das hidrelétricas do submercado Sudeste/Centro-Oeste, por conta da maior previsibilidade e disponibilidade da bioeletricidade justamente na estação seca e crítica para o setor elétrico brasileiro.

Biomassa em geral

A geração da bioeletricidade em geral (que inclui as diversas biomassas) para a rede foi de 7.757 GWh de janeiro a maio deste ano, aumento de 9% em relação a igual período em 2019. O volume gerado equivalente a atender mais de 4 milhões de unidades residenciais pelo ano de 2020 inteiro. Do total da geração da biomassa, 82% ocorreu em cinco Estados: São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná e Goiás.

O Estado que mais gerou bioeletricidade para a rede foi São Paulo, responsável por 34% do total de geração de janeiro a abril de 2020. Somente a geração de bioeletricidade para a rede pelo Estado de São Paulo (1.591 GWh) seria equivalente a atender ao consumo anual de energia elétrica de 823 mil unidades residenciais.

Em capacidade instalada de geração, atualmente outorgada pela ANEEL, o Brasil detém 174.564 MW. A biomassa em geral representa 9% da matriz elétrica brasileira, com 15.320 MW instalados, ocupando a 4ª posição na matriz, atrás das fontes hídrica, eólica e gás natural. Unica