Artigo/Hidrogênio verde: verdades e mentiras sobre a neoindustrialização verde do Brasil

Print Friendly, PDF & Email

A primeira verdade incontestável: já não se discute mais se o aquecimento global é de fato uma realidade a ser combatida. É sim uma realidade avassaladora, que nos torna testemunhas e protagonistas de um momento icônico na história da humanidade. A transição energética se impõe de maneira emergencial. Não à toa, as mudanças climáticas estão no topo da agenda de governos, investidores e empresas em todo o mundo.

Estratégias tradicionais isoladas para redução das emissões não nos farão alcançar a neutralidade almejada no Acordo de Paris, sem a devida mudança na matriz energética global, onde apenas cerca de 20% estão relacionados à energia elétrica; cerca de 80% estão na forma de energia molecular, oriunda principalmente do carvão, petróleo e gás natural. Para substituir essas fontes fósseis, a solução mais importante, e com tecnologia mais madura para uso em larga escala, é o hidrogênio verde. Ele é obtido a partir do uso de energia elétrica renovável para quebrar a molécula da água em hidrogênio e oxigênio, e é elemento-chave para descarbonizar setores críticos da economia, como a indústria siderúrgica e o setor de transportes.

Derivados do hidrogênio verde, como a amônia verde e o metanol verde, também são combustíveis alternativos para descarbonizar o transporte marítimo e ferroviário, assim como o SAF, combustível sustentável de aviação. Caminhões movidos a combustão podem incorporar o diesel verde, um combustível idêntico ao diesel convencional e que não requer nenhuma adaptação de motor.

A adoção do hidrogênio verde tem impactos profundos para o Brasil. Ele é a base para a produção de amônia, considerada principal molécula para o transporte intercontinental do hidrogênio, e matéria-prima para a produção de fertilizantes verdes. Vale notar que mais de 1/4 do nosso PIB está relacionado à cadeia do agronegócio, enquanto o Brasil hoje é quase totalmente dependente de importações de fertilizantes. O conflito entre Rússia e Ucrânia nos mostrou o risco dessa dependência.

Para atingir metas do Acordo de Paris, o mundo vai precisar mais de 11 mil GW de energia renovável adicionais em menos de três décadas para produzir o hidrogênio verde necessário para substituir tais fontes fósseis. Isso equivale a cerca de 600 usinas de Itaipu! É como se tivéssemos que construir 20 Itaipus por ano, todos os anos, pelos próximos 30 anos. Daí dá para entender o desafio e a emergência para a humanidade.

Por isso, quando se discute possíveis rotas tecnológicas para a produção de hidrogênio renovável, existem duas verdades a serem observadas: a primeira é que todas as rotas devem ser consideradas, pois, para atender tal demanda, não se pode descartar nenhuma ajuda. A segunda, contudo, é que precisa ter escalabilidade. Assim, é necessário identificar as vantagens competitivas de cada região para priorizar o desenvolvimento da cadeia de valor de acordo com as características regionais.

Cerca de 2/3 do custo do hidrogênio verde depende do custo da energia renovável, principalmente solar e eólica. O Brasil possui potencial na escala necessária e custos marginais dentre os mais baixos do mundo. Por isso, naturalmente pode produzir hidrogênio verde dentre os mais competitivos do mundo.

Entretanto, tem-se discutido a exploração de outras rotas, como por exemplo o hidrogênio azul, que é o hidrogênio advindo do gás natural, ou seja, de origem fóssil, combinado depois com tecnologias de captura de carbono. O irracional nessa abordagem é que, além da disponibilidade do gás natural ser limitada no Brasil, o custo dele chega a ser 10 vezes mais caro do que em outras regiões do mundo, como Estados Unidos ou Arábia Saudita.

Se o custo do hidrogênio está tão relacionado à matéria-prima, então o custo dessa rota é inviável no Brasil. É uma abordagem válida para nações que possuam gás natural abundante e barato, o que não ocorre aqui. Aqui, o abundante e barato é a energia elétrica renovável, e por isso, a vocação brasileira está na produção de hidrogênio verde. Não há sentido em criar política de Estado para rotas que nos colocariam em posição de desvantagem no contexto global.

Tem se falado também sobre a produção de hidrogênio renovável a partir do etanol ou da biomassa. O desafio aqui é desenvolver tais tecnologias para terem escalabilidade, o que ainda pode demorar décadas para ser comprovado, ou mesmo nunca ser comprovado. Sem mencionar o impacto na dimensão do uso da terra, de forma que tais rotas podem até se tornar no futuro um afluente complementar, mas não o eixo principal de produção.

Assim, a tão esperada neoindustrialização verde depende fundamentalmente de o Brasil desenvolver essa nova cadeia produtiva, o que só é viável hoje quando se considera o hidrogênio verde. Essa conclusão é tão evidente que as nações desenvolvidas como Estados Unidos e União Europeia lançaram recentemente iniciativas específicas objetivando criar suas próprias cadeias de fornecimento, e consequentemente assegurar soberania energética e a perpetuação de sua larga vantagem industrial perante o resto do mundo.

Já estamos testemunhando uma fuga de grandes projetos para os Estados Unidos, em razão da agressiva política de subsídios posta em prática por meio do “Inflation Reduction Act”. Já a Comissão Europeia acelerou ainda mais a corrida global do hidrogênio verde com a publicação do REPowerEU, um plano para tornar a Europa independente dos combustíveis fósseis russos antes de 2030. Nesse período, a Europa prevê uma demanda de 40 GW para produzir hidrogênio verde, o que fará com que ele alcance em poucos anos o mesmo nível de preço do hidrogênio atualmente obtido de fonte fósseis.

O Brasil tem uma grande oportunidade de promover a neoindustrialização verde do Brasil ao estabelecer a cadeia completa do hidrogênio verde, e não apenas atuar nesse mercado como exportador de energia em forma de molécula, que sem dúvidas é benéfico ao país, mas ainda assim com perfil de commodity. É bom, mas não é transformador; e pode ser.

Para contrapor essas iniciativas, temos que lidar com a desvantagem das limitações inerentes ao nosso orçamento. Se não podemos ter incentivos na mesma dimensão, temos por outro lado experiências de sucesso com a adoção de regulação, como a mistura do etanol à gasolina e mais recentemente com o biodiesel.

O Brasil precisa adotar misturas de derivados do hidrogênio verde no consumo doméstico, seja na forma de amônia verde, diesel verde e até mesmo mistura ao gás natural. Assim podemos induzir a cadeia de valor local, estabelecer mecanismos para garantir contratos de demanda, que dão segurança jurídico-financeira para os investimentos, e criar de fato um novo setor industrial.

Também é fator condicionante a expansão da infraestrutura de geração e transmissão da energia elétrica. Temos que dobrar nossa base instalada de geração até 2040, e isso requer grandes investimentos na ampliação da rede interconectada de transmissão. Ao mesmo tempo, é imprescindível rever os tributos aplicados à energia usada como insumo para a produção de hidrogênio. O chamado “custo do fio” praticamente dobra o custo do hidrogênio, e não podemos exportar tributos.

Apesar das nossas vantagens competitivas, corremos o risco de perder essa oportunidade histórica. É hora de viabilizar esses mecanismos necessários para que os grandes investimentos saiam das promessas para realidade concreta, que, enfim, vão alavancar toda uma nova cadeia produtiva de valor no Brasil. Isso requer urgentemente uma política de Estado que garanta a demanda necessária para que a inércia atual seja quebrada.

*Paulo Alvarenga é presidente da Câmara Brasil-Alemanha (AHK), Membro do Conselho da Associação Brasileira da Indústria do Hidrogênio Verde (ABIHV) e CEO da thyssenkrupp América do Sul.

Veja Também

Artigo: A energia eólica e o impacto dinâmico na economia brasileira

Desde a primeira instalação de uma turbina eólica no arquipélago Fernando de Noronha em 1992 …