Home » Energia Solar e Eólica » Entidades se unem para primeira pesquisa global sobre representatividade das mulheres
Divulgação

Entidades se unem para primeira pesquisa global sobre representatividade das mulheres

Print Friendly, PDF & Email

O Conselho Global de Energia Eólica (GWEC), a Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA) e a Rede Global de Mulheres para a Transição de Energia (GWNET) fizeram parceria na primeira Pesquisa Global de Gênero da Indústria Eólica. Esta pesquisa fornecerá novas idéias sobre os papéis e a representação das mulheres no setor eólico para promover a igualdade de gênero na transição energética. Todas as organizações e indivíduos do setor de energia eólica podem contribuir respondendo a pesquisa até 1 de novembro aqui.

A Pesquisa Global de Gênero da Indústria Eólica servirá como uma nova avaliação de referência da participação das mulheres na transição energética. Os dados coletados iluminarão a presença das mulheres em toda a cadeia de valor do setor eólico, participação em funções técnicas e não técnicas, acesso à políticas de gênero e percepções de preconceito de gênero.

Esses dados também formarão uma base crucial, para ajudar os formuladores de políticas e os líderes corporativos a tomarem decisões informadas sobre o aumento da diversidade e inclusão no setor eólico. Posteriormente, o GWEC e seus parceiros emitirão um relatório – o primeiro de seu tipo a fazer um balanço global da igualdade de gênero no setor eólico – que inclui recomendações e soluções em relação a quaisquer desafios sistêmicos, sociais e culturais enfrentados por mulheres que trabalham com energia eólica.

A Pesquisa Global de Gênero da Indústria Eólica segue o principal relatório da IRENA “Energia Renovável: Uma Perspectiva de Gênero” em janeiro de 2019, que constatou que 32% da força de trabalho de energia renovável era composta por mulheres. O trabalho realizado pelo GWEC e seus parceiros esclarecerá a participação das mulheres na indústria eólica e como os desequilíbrios específicos do setor podem se comparar ao setor mais amplo de energia renovável. (Agência ABEEólica)