Unica

UFV lança nova variedade de cana

Print Friendly, PDF & Email

A UFV entregou ao mercado sucroenergético mais uma variedade de cana com alta produtividade para manejo de colheita em meados de safra. O lançamento aconteceu em um evento realizado virtualmente no dia 28 de julho, para comemorar os 30 anos da Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento Sucroenergético (Ridesa) e os 50 anos das variedades conhecidas como RB, responsáveis por grande parte do sucesso do setor canavieiro no Brasil.

A Universidade Federal de Viçosa fez parte da origem da Ridesa. No início da década de 1990, dez universidades se dispuseram a herdar a estrutura do extinto Planalsucar, dando continuidade ao projeto de desenvolvimento em melhoramento genético de cana-de-açúcar. As instituições que integram a Rede produzem inovação para o cultivo de variedades em 60% de toda a área canavieira. Nestes 30 anos, a Ridesa já lançou mais de 100 variedades. O trabalho é realizado em parceria com 300 empresas conveniadas, o que representa 95% das que atuam na área.

O Brasil possui a maior área plantada com cana do mundo e é grande produtor de açúcar e etanol. Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), são 8,6 milhões de hectares cultivados, o que corresponde a 2,5% da área agricultável do país. Em 2020, de acordo com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, a produção de açúcar gerou 8,7 bilhões de dólares em volume de exportação.

Entre as variedades mais plantadas no Brasil está a RB867515, desenvolvida pela UFV em 1998 e atualmente produzida em mais de 20% da área cultivada com cana no país, o que significa cerca de 1,8 milhões de hectares. A variedade é considerada rústica e muito tolerante a estresses ambientais. Segundo o engenheiro agrônomo Luís Claudio Inácio da Silveira, a nova variedade, lançada esta semana, foi chamada de RB987917 e é destinada a áreas irrigadas e de solo com boa fertilidade natural. Nos experimentos colhidos, ela se adaptou bem a altitudes que vão de 300 a 900 metros. Luís Claudio é chefe da Estação de Experimentação de Cana-de-Açúcar da UFV e um dos criadores da variedade.

Para o professor Márcio Barbosa, do Departamento de Agronomia da UFV e coordenador da equipe que criou a RB987917, uma nova variedade demora pelo menos 15 anos para ser lançada.  “Fazemos diversos cruzamentos genéticos e precisamos testar as novas variedades em áreas muito diferentes para analisarmos a eficiência e o manejo adequado das plantas. Muitas são descartadas e as melhores são enviadas aos produtores, para que possam colaborar com os testes em locais e condições diferentes, para que tenhamos as características daquela variedade”, explicou. Márcio Barbosa é o diretor científico da Ridesa. Fazem parte do Programa de Melhoramento de Cana-de-Açúcar da UFV professores dos departamentos de Agronomia, Estatística e Química, engenheiros agrônomos, técnicos em agropecuária e auxiliares administrativos e rurais, além de graduandos e pós-graduandos que desenvolvem pesquisa com cana-de-açúcar. Uagro