Scania testa ônibus elétrico na UNESP

Print Friendly, PDF & Email

A Scania, referência mundial em soluções de transporte e logística sustentável, em conjunto com pesquisadores da Faculdade de Engenharia da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus de Ilha Solteira (SP), realiza testes em um veículo 100% elétrico sob condições de alta temperatura, além de desenvolver ferramentas de análises e modelagens computacionais. “Para que uma tecnologia se consolide por completo é necessário que equipes profissionais multidisciplinares adquiram conhecimento e experiência em torno dela. Nós investimos constantemente no desenvolvimento de competências dentro da Scania, mas entendemos a necessidade de irmos além da nossa fábrica e decidimos levar nosso ônibus BEV até os acadêmicos, pesquisadores e estudantes de engenharia”, conta Marco Garcia, consultor de Pesquisa e Desenvolvimento da Scania Latin America.

O veículo em questão chegou ao Brasil no fim de 2021 para operar na fábrica da Scania em São Bernardo do Campo (SP), exclusivamente para o transporte interno de colaboradores, com o objetivo de aprimorar e desenvolver conhecimento local e competências em torno da eletrificação no transporte comercial, desempenhando uma função de ônibus-escola para ajustes e adaptações às condições brasileiras. Há seis meses, o modelo elétrico desenvolve uma etapa de testes no país, na Faculdade de Engenharia da UNESP, em Ilha Solteira (SP), um dos 34 campi da instituição.

O projeto terá duração de 12 meses e o ônibus ficará sob a coordenação de pesquisadores da graduação e pós-graduação da Faculdade de Engenharia. O intercâmbio entre professores e alunos da UNESP com a Scania permitirá a realização de ensaios em laboratórios computacionais e aplicações práticas com o veículo, gerando conhecimentos dentro da parceria e para a modelagem computacional da dinâmica do escoamento de fluídos em sistemas e também para a análise estatística para o tratamento de dados de teste.

A escolha pela UNESP, em Ilha Solteira, se deu pelo fato de a instituição ser referência em pesquisa e desenvolvimento na área da engenharia mecânica, ciências térmicas. “A Universidade Estadual Paulista tem uma projeção gigantesca e possibilitará demonstrar para pesquisadores e estudantes como a Scania, uma multinacional líder em soluções sustentáveis para o setor de transporte, desenvolve suas tecnologias e como são aplicadas no mercado em seus produtos e serviços”, explica Marco. “Os estudos e testes com o BEV poderiam ser feitos somente pelos engenheiros da Scania, mas também pensamos na contribuição com a sociedade e no desenvolvimento de competências no país como um todo”, acrescenta.

Os dados coletados e os resultados do projeto serão disponibilizados em tempo real para todas as equipes de engenharia da Scania, otimizando o desenvolvimento da tecnologia BEV tanto na Suécia quanto no Brasil, os dois braços de engenharia da multinacional no mundo. “Queremos levar um pouco de conhecimento técnico e de negócios reais para a universidade, uma maneira de contribuir e oxigenar a visão acadêmica. E para nós, é uma grande aposta para aumentar o capital de conhecimento global da Scania, amplificando a jornada de desenvolvimento de veículos eletrificados”, destaca Marco.

 

Parceria inédita em Ilha Solteira

Se para a equipe de engenharia da Scania o ônibus elétrico é uma novidade, para a comunidade acadêmica é um feito inédito de muita relevância e grandes expectativas. O Prof. Dr. Leandro Oliveira Salviano, um dos responsáveis pelo projeto, conta que a abordagem de desenvolvimento deste ônibus é inédita para a Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, em especial para o departamento de engenharia mecânica, ciências térmicas, e deseja que a parceria seja a primeira de várias. “O objetivo é que abra portas para outras oportunidades, mas que especificamente esta seja duradoura e nos permita criar vínculos de pesquisa e desenvolvimento, e de qualificação local e pessoal. É um treinamento de técnicos e engenheiros da própria Scania, para uso das ferramentas que nós vamos desenvolver no projeto, além do envolvimento dos estudantes da UNESP de forma a prepará-los e colocá-los em contato com uma empresa de ponta, multinacional, como a Scania”, explica o docente do Departamento de Engenharia Mecânica.

Além de ser uma referência acadêmica, a decisão de levar o veículo para Ilha Solteira, segundo o professor Leandro, é motivada por uma questão térmica. “Como aqui é uma região muito quente por longos períodos do ano, poderemos avaliar a aplicação desse ônibus para rodar em regiões com alta temperatura, tanto em ambiente urbano quanto em rodovia, utilizando “lastro” para reproduzir uma lotação, por exemplo. Nós vamos estabelecer uma rota que possa simular e submeter o veículo ao estresse térmico”, explica. “O sistema de resfriamento das baterias, com variações do clima e as temperaturas altas, pode impactar no desempenho e autonomia do veículo elétrico. Nós vamos testar propostas de isolamento de tubulação do pacote de baterias para identificar soluções que atendam aos requerimentos de operação dos veículos da Scania”, completa Leandro.

O estágio atual do projeto é de troca e análise de informações dos testes entre a fabricante e a universidade de desenvolvimento das ferramentas. O Campus foi adaptado para receber o ônibus. Há um local pronto, pensando em infraestrutura, com tomadas instaladas para o carregamento das baterias e suporte para manutenção do ônibus. Houve definição de rotas para os testes em circuitos urbanos e rodoviários, além das ferramentas de análise estatística estarem em estado avançado de projeto. Modernas técnicas de otimização como o método Algoritmos Genéticos serão empregadas. A previsão é que tenhamos uma primeira versão das ferramentas de análise para ser apresentada ainda nos primeiros meses”, projeta o professor.

Os testes com o ônibus elétrico começam em outubro e as ferramentas desenvolvidas serão perfeiçoadas e transferidas para a equipe técnica da Scania. “A ideia é que essas ferramentas possam ser utilizadas pela Scania em outros projetos. Por isso, faremos a completa transferência dessas tecnologias para a fabricante. Esse projeto é um embrião e novos projetos vão surgir depois dele. A nossa expectativa é entregar além do que formalizamos; queremos entregar mais”, profetiza o professor Leandro. Divulgação

Veja Também

Mercado livre de energia ganhou mais de 800 novos consumidores em setembro

Sul e Sudeste concentram maioria das novas unidades no ambiente, mas Nordeste também desponta com …