Produção de cana em 2023/24 é estimada pela Conab em 652,9 mi toneladas

Print Friendly, PDF & Email

Com uma produtividade acima de 78 toneladas por hectare, a produção de cana-de-açúcar deverá chegar a 652,9 milhões de toneladas na safra 2023/24. O volume, se confirmado, representa um crescimento de 6,9% ante a safra anterior, ou 42,1 milhões de toneladas. Além disso, ele ultrapassa em 2,5% a projeção anterior, de 637,1 milhões de toneladas de cana.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 17, pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), durante o 2º Levantamento da safra 2023/24 do produto.

Segundo a Conab, o incremento é esperado devido à melhora no desempenho das lavouras, uma vez que as condições climáticas para esta temporada vêm se apresentando ainda melhores que na safra 2022/23. Já a área apresenta ligeira queda de 0,1%, com 8,29 milhões de hectares destinados para a cultura. A redução é influenciada pela diminuição verificada na região Sudeste.

Responsável por 63,1% da produção de cana no país, o Sudeste deverá apresentar uma elevação de 6,3% no volume colhido, chegando a 412,15 milhões de toneladas. De acordo com a companhia, o bom resultado será atingido pela boa produtividade que tende ao crescimento e ultrapassa as 80 mil toneladas por hectare.

A alta é influenciada principalmente pelo desempenho das lavouras de São Paulo, principal estado produtor da cultura. Sozinhos, os produtores paulistas devem ser responsáveis por uma colheita de 328,2 milhões de toneladas, aponta a projeção.

No Centro-Oeste, a atual estimativa da Conab para esta safra é de 142,7 milhões de toneladas. Diferentemente do Sudeste, a área deverá ter uma alta de 1,5%, verificada em 1,79 milhões de hectares. Além deste aumento, as lavouras devem apresentar melhor desempenho, com uma produtividade média estimada em 79,6 toneladas por hectare.

Aumento de área e produtividade também devem ser observados na região Nordeste, onde a colheita projetada é de 58,5 milhões de toneladas. O cenário semelhante ao encontrado na região Sul, onde após sucessivas reduções da área colhida, a estimativa é que sejam destinados 3,7% a mais de área, quando comparada à safra 2022/23, para a produção de cana-de-açúcar. O incremento esperado na produtividade é ainda mais expressivo, de 10,5%, influenciado pelo aumento de áreas renovadas e melhores condições climáticas.

No Norte do país, o incremento de área e a expectativa de melhores produtividades deverão aumentar a produção em 5,4 quando comparada à safra passada, resultando em uma produção de 4,03 milhões de toneladas de cana-de-açúcar.

A maior produção de cana possibilita um aumento na fabricação de açúcar no país, estimada em 40,9 milhões de toneladas. No primeiro levantamento da companhia, publicado em abril, a expectativa era de 38,77 milhões de toneladas.

De acordo com o boletim da Conab, é possível observar uma elevação da produção do adoçante em todas as regiões, justificada pela maior disponibilidade de matéria-prima e pelo mercado favorável ao produto. Com isso, a atual safra se coloca como a segunda maior produção de açúcar da série histórica, atrás apenas das 41,25 milhões de toneladas observadas em 2020/21.

Mas também está previsto um incremento na produção de etanol, chegando a 33,83 bilhões de litros quando se soma os volumes produzidos a partir da cana-de-açúcar e do milho – ante 33,17 bilhões de litros projetados em abril.

Ainda segundo a Conab, o combustível produzido a partir do esmagamento da cana-de-açúcar deverá crescer cerca de 4,5%, o que representa 1,2 bilhão de litros. Esse aumento em relação à temporada anterior encontra suporte na maior produção de cana no país, mesmo com a priorização na fabricação de açúcar.

Já o etanol fabricado a partir do milho apresenta alta expressiva de 37,2%, resultado de planejamento e investimentos, sobretudo no Centro-Oeste, mas se expandindo para outras regiões do país. A expectativa é para mais um recorde na produção desse combustível que tem como matéria-prima o cereal, estimada em 6,11 bilhões de litros.

Mercado
Diante das estimativas positivas para a safra brasileira 2023/24, que apontam um aumento considerável da produção com relação à safra anterior, a perspectiva da Conab é de queda nos preços do açúcar e do etanol.

Mas a expectativa para a fabricação do adoçante também possibilita boas perspectivas para as exportações do produto. As vendas brasileiras de açúcar ao mercado internacional seguem em bom ritmo, atingindo 9,2 milhões de toneladas entre abril e julho deste ano, conforme dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC). Se comparado com o mesmo período do ano passado, houve um aumento de 13,5% no volume embarcado.

Com relação ao preço do adoçante no mercado internacional, em junho, foram observadas variações negativas nas cotações, encerrando o mês com média de queda de 4,2%. No entanto, na comparação com junho de 2022 é verificado aumento em torno de 31%.

Em relação ao etanol, o Brasil exportou cerca de 674,9 milhões de litros no acumulado dos quatro primeiros meses da safra 2023/24 (abril a julho), segundo o MDIC. O volume corresponde a uma elevação de 15,9% na comparação com igual período do ciclo passado.

Os preços do combustível tendem para a queda, explicada pela baixa movimentação no mercado doméstico e pela influência do comportamento dos preços do petróleo no cenário internacional. Conab

Veja Também

Maturador mostra resultados robustos com aplicação por drone em áreas de cana-de-açúcar de GO e SP

Ensaios técnicos em seis áreas de cana-de-açúcar, dos estados de Goiás e São Paulo, apontaram …