Plano Safra 2022-2023 amplia crédito para energia solar a produtores rurais

Print Friendly, PDF & Email

A nova edição do Plano Safra 2022-2023, divulgado no dia 29 de junho pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), que prevê um montante de R$ 340,88 bilhões para investimentos em projetos no agronegócio, cerca de 36% a mais do que no ano anterior, traz um importante avanço para a sustentabilidade no agronegócio, à medida em que amplia os recursos e opções de financiamento para produtores rurais que buscam investir em energia solar.

A análise é do CEO da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), Rodrigo Sauaia. Segundo o executivo, há linhas de crédito para geração própria de energia solar disponíveis para produtores rurais de todos os portes e em todas as regiões do Brasil. “A energia solar é cada vez mais estratégica ao agronegócio, pois traz inúmeros benefícios e ganhos de competitividade aos produtores rurais.

“A sinergia entre o agro e a solar fotovoltaica é imensa, com diversas aplicações na produção rural. A tecnologia é extremamente versátil e pode ser utilizada, por exemplo, no bombeamento e na irrigação de água, na refrigeração de carnes, leite e outros produtos, na regulação de temperatura para a produção de aves, na iluminação, em cercas elétricas, em sistemas de telecomunicação, no monitoramento da propriedade rural, entre muitas outras funcionalidades”, explica Sauaia.

Dos recursos disponibilizados no Plano Safra 2022-2023, serão destinados R$ 246,3 bilhões para custeio e comercialização (+39%), além dos R$ 94,6 bilhões para investimentos. Também serão alocados R$ 2 bilhões para subvenção ao seguro rural, R$ 53,6 bilhões para o Pronaf (+36%) e R$ 6,19 bilhões para o Plano ABC+ (+22,6%), entre outros programas.

Um dos destaques desta edição veio da inclusão da utilização de energias renováveis no Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), bem como a atualização da descrição de itens financiáveis como crédito rural. Com isso, os programas de financiamento do Plano Safra que já incorporam o uso de energia solar pelo agronegócio são: Pronaf, Inovagro, Prodecoop, ABC e Pronamp. Somadas, estas linhas representam R$ 40,6 bilhões para investimentos em projetos no meio rural, um aumento de 50% em relação aos R$ 26,9 bilhões da edição anterior.

Para Ronaldo Koloszuk, presidente do Conselho de Administração da ABSOLAR, a tecnologia fotovoltaica reduz os custos com eletricidade, aumenta a segurança elétrica, protege o consumidor contra os aumentos das tarifas de eletricidade e aumenta a oferta de energia elétrica na propriedade rural. “Desta forma, torna a produção no campo mais limpa e sustentável e agrega valor à marca do produtor rural. Tudo isso se reflete na oferta de um alimento mais barato na mesa dos brasileiros”, comenta. Absolar

Veja Também

Agricultor familiar que usa painéis solares terá desconto na conta de luz

Medida foi aprovada pelo Senado com o objetivo de estimular fontes limpas de energia Famílias …