Ilustração

Novo modelo de estufas para produção de cana-de-açúcar revoluciona setor

Print Friendly, PDF & Email

Um novo sistema revoluciona a produção de mudas de cana no Brasil, antecipando a produção e reduzindo o custo, com maior rentabilidade. O pacote tecnológico envolve uma nova solução nutritiva e hormonal; novo sistema de irrigação no formato de mini-pivot e uma estufa com arquitetura inovadora inspirada no Projeto Eden em Cornwall – Inglaterra
O inovação em produção de mudas de cana envolve uma estufa em formato de cúpula geodésica, que proporciona mais absorção de luz e melhor distribuição de calor em seu interior, consequentemente, elevando a fotossíntese, acelerando o desenvolvimento das mudas de cana e reduzindo o ciclo de produção.
Trata-se de uma estufa, ou casa de vegetação, construída com tubos de aço galvanizado em forma de treliça de baixo peso, eliminando a necessidade de qualquer coluna interna ou externa para sustentação das estruturas. É formada por figuras geométricas de vários tamanhos, combinando pentágonos e hexágonos, proporcionando à estrutura uma forma esférica, um projeto arrojado e inovador bem à frente de seu tempo, marcado por ideias futuristas que almejam melhorar a performance na produção de mudas de cana.
Vantagens
Alguns anos de pesquisa e desenvolvimento demonstraram que a arquitetura das estufas em forma de cúpula geodésica contribui para a maior absorção de luz e uniformidade na distribuição de calor em seu interior, acelerando a fotossíntese, promovendo o crescimento e a consequente diminuição no tempo de formação das mudas.
Essa arquitetura inusitada a torna uma condição de maior controle dos fatores ambientais e físicos como, por exemplo, água, luz, temperatura, umidade relativa, aeração e nutrientes, facilitando imensamente o manejo da produção.
Mais vantagens
Outra vantagem considerável é a isenção de construção de barreiras quebra-vento, ou seja, plantações de árvores em várias camadas e altura com o objetivo de desviar ventos fortes que poderiam danificar toda a sua estrutura, pois esta arquitetura geodésica confere uma extrema resistência da estufa a vendavais.
Outra vantagem é o aproveitamento da área utilizada no seu interior. Enquanto as estufas convencionais ficam em torno de 80%, as estufas com cúpula geodésica chegam a 92%, devido à menor necessidade de corredores para manejo no seu interior.
Produção antecipada
O novo modelo de estufa antecipa a produção em aproximadamente 30 dias, quando combinados todos os protocolos de produção descritos anteriormente, como as soluções nutritivas e hormonais, a arquitetura da estufa, a irrigação e o manejo adotado.
Qual a diferença?
Quando comparado ao modelo tradicional, o novo modelo de estufas apresenta facilidade no manejo da produção, melhor distribuição de calor no seu interior, maior pé direito, melhorando o fluxo de gases e, por possuir uma forma esférica, não discrimina a distribuição de luz em seu interior.
No sistema tradicional as estufas obrigatoriamente devem ser construídas no sentido leste-oeste ou norte-sul, devido à variação na inclinação da luz solar entre o solstício e equinócio, que ocorre entre 21 de março e 23 de setembro.
No caso da estufa geodésica, este fator é irrelevante, pois por ela possuir o formato esférico, independente da época do ano ou do sentido que foi construída, sempre haverá uma elevada e uniforme absorção de luz solar.
Manejo
Como esse tipo de estufa tem uma maior absorção de luz, também há necessidade de maior controle deste fator para não acontecer um super aquecimento e prejudicar o cultivo. No entanto, há necessidade de um rigoroso monitoramento da temperatura e umidade no seu interior, visando otimizar a produção, pois temos comportamentos diferentes quando utilizamos variedades de cana diversas.
Nova solução nutritiva e hormonal
Alguns trabalhos de pesquisa científica que realizamos mostraram a necessidade de fazer um balanceamento dos nutrientes para a cultura, assim como a utilização de alguns aminoácidos e hormônios vegetais para atender a demanda da cana-de-açúcar e repor suas necessidades.
Após cinco anos de pesquisa, chegamos aos resultados que nos permitiram proporcionar um desenvolvimento da cultura acima dos padrões normais de produção. Criamos protocolos de produção que nos permitiram baixar custo e aumentar a produtividade tanto na produção dos clones como na produtividade agrícola, produzindo mudas com elevado vigor e de rápido crescimento, fazendo com que a cultura expresse todo seu potencial produtivo.
Silvio Marcos Ferreira
Engenheiro agrônomo, doutor em Ecologia Aplicada – USP/CENA – Centro de Energia Nuclear na Agricultura