Foto governo de Goiás

Moagem no Centro-Sul cresce 4% e totaliza 40,3 milhões de toneladas na 1ª quinzena de junho

Print Friendly, PDF & Email

Na primeira quinzena de junho foram processadas 40,30 milhões de toneladas de cana-de-açúcar ante a 38,67 milhões no mesmo período da safra 2022/2023 – o que representa um avanço de 4,20%. No acumulado da safra 2023/2024, a moagem atingiu 166,31 milhões de toneladas, ante 146,06 milhões de toneladas registradas no mesmo período no ciclo 2022/2023 – um avanço de 13,87%.

 

Dados do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) indicam que, no mês de maio, a produtividade dos canaviais no Centro-Sul foi de 95,3 toneladas de cana por hectare colhido. Esse valor representa um acréscimo de 26,23% diante daquele observado no mesmo período da safra 2022/2023 e reflete o regime de chuvas favorável o qual deslumbrou a lavoura nos meses de verão. Vale destacar, todavia, que o salto extraordinário observado no período mencionado é consequência, além da já mencionada condição climática favorável, da priorização da colheita de lavouras de 1º corte. É esperado que tal avanço na produtividade seja amenizado quando canaviais menos joviais entrem no cronograma de colheita.

 

Quanto ao avanço constatado no processamento de cana em relação à safra passada, vale ponderar que quando comparada à safra 2020/2021 há uma defasagem próxima a 21 milhões de toneladas (variação negativa em 11,20%). Naquele ciclo de colheita foram processados, até 16 de junho, 187,28 milhões de toneladas.

 

Na primeira metade de junho, oito unidades deram início à safra 2023/2024. Ao término da quinzena, permanecem em operação 253 unidades no Centro-Sul, sendo 239 unidades com processamento de cana-de-açúcar, sete empresas que fabricam etanol a partir do milho e sete usinas flex. No mesmo período, na safra 2022/2023, havia 257 unidades produtoras em atividade.

 

No que condiz à qualidade da matéria-prima, o nível de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) registrado na primeira quinzena de junho foi de 135,65 kg de ATR por tonelada de cana-de-açúcar, contra 131,02 kg por tonelada na safra 2022/2023 – variação negativa de 3,54%. No acumulado da safra, o indicador marca o valor de 127,20 kg de ATR por tonelada (+2,15%).

 

Produção de açúcar e etanol

 

A produção de açúcar na primeira quinzena de junho totalizou 2,55 milhões de toneladas. Essa quantidade, quando comparada àquela registrada na safra 2022/2023 de 2,15 milhões de toneladas, representa um aumento de 18,71%. No acumulado desde 1º de abril, a fabricação do adoçante totaliza 9,53 milhões de toneladas, contra 7,21 milhões de toneladas do ciclo anterior (+32,13%).

 

Na primeira metade de junho, 1,86 bilhão de litros (+1,75%) de etanol foram fabricados pelas unidades do Centro-Sul. Do volume total produzido, o etanol hidratado alcançou 1,00 bilhão de litros (-6,88%), enquanto a produção de etanol anidro totalizou 854,91 milhões de litros (+14,17%). No acumulado desde o início do atual ciclo agrícola até 1º de junho, a fabricação do biocombustível totalizou 7,67 bilhões de litros (+9,30%), sendo 4,43 bilhões de etanol hidratado (-4,73%) e 3,23 bilhões de anidro (+36,93%).

 

Do total de etanol obtido na segunda quinzena de junho, 12% foram fabricados a partir do milho, registrando produção de 225,16 milhões de litros neste ano, contra 176,55 milhões de litros no mesmo período do ciclo 2022/2023 – aumento de 27,54%. No acumulado desde o início da safra, a produção de etanol de milho atingiu 1,13 bilhão de litros – avanço de 46,56% na comparação com igual período do ano passado.

 

Vendas de etanol

 

Na primeira quinzena de junho, as vendas de etanol totalizaram 1,20 bilhão de litros, o que representa uma variação positiva de 4,10% em relação ao mesmo período da safra 2022/2023. Por mais uma quinzena o cenário foi familiar ao das que a precederam, o qual comportou variações negativas para o volume de hidratado e positivas para o anidro. Para o primeiro, o volume comercializado até 15 de junho foi de 667,54 milhões de litros – uma retração de 5,34% – e, para o último, 534,55 milhões de litros – avanço de 18,92%.

 

No mercado interno, o volume de etanol hidratado totalizou 614,13 milhões de litros, o que significa uma queda de 11,18% em relação ao mesmo período da safra anterior. A venda de etanol anidro atingiu a marca de 516,62 milhões de litros, o que representa um crescimento de 22,78%.

 

No acumulado da safra 2023/2024, a comercialização de etanol soma 5,70 bilhões de litros, o que representa uma queda de 0,39%. O álcool hidratado compreende uma venda no volume de 3,19 bilhões de litros (-11,09%), enquanto o anidro de 2,52 bilhão (+17,53%).

 

Mercado de CBios

 

Dados da B3 registrados até o dia 23 de junho indicam a emissão de 15,59 milhões de CBios em 2023. Até a data supracitada, a parte obrigada do programa RenovaBio havia adquirido cerca de 50,02 milhões de créditos de descarbonização. Esse valor considera o estoque de passagem da parte obrigada em 2021 somada com os créditos adquiridos em 2022 e 2023, até o momento, estejam eles ativos ou aposentados. O horizonte temporal selecionado cobre as aquisições que compreenderão os créditos utilizados para atendimento das metas de 2022, cujo prazo havia sido postergado, e 2023. Unica

 

Veja Também

Opinião/Setor sucroenergético busca elevar demanda por etanol biocombustível

O setor sucroenergético brasileiro iniciou 2024 com a expectativa de elevar a competitividade dos etanóis …