Marco regulatório do diesel verde deve vir vinculado ao do bioquerosene de aviação

Print Friendly, PDF & Email

Representantes do setor de biodiesel e da indústria de aviação se reuniram na terça-feira (07/07), em um encontro online para discutir a visão estratégica da indústria de biodiesel sobre o ingresso do HVO (diesel verde) e dos novos processos de produção de biocombustíveis avançados na matriz brasileira de combustíveis.

A reunião contou com a presença de representantes da Ubrabio, Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República, Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), Embraer e Vale.

O bioquerosene de aviação é uma demanda do setor aéreo que precisa se descarbonizar para cumprir acordos internacionais. Entretanto, do ponto de vista técnico, a produção de bioquerosene passa por um processo em que é gerado também o diesel verde, independente da rota tecnológica escolhida – atualmente são sete rotas tecnológicas aprovadas pela ASTM (órgão estadunidense de normas técnicas aceitas internacionalmente).

“É um produto que precisa ser colocado no mercado. Mas como? O mercado de diesel no Brasil é oito vezes maior que o do querosene de aviação (dados pré-covid). Ou seja, o mercado consumidor para o diesel verde existe. A discussão é como fazer esse produto entrar no mercado”, aponta o diretor de Biocombustíveis de Aviação da Ubrabio, Pedro Scorza.

A Ubrabio defende um sistema que comporte todos: biodiesel, diesel verde e diesel fóssil, em uma visão de complementariedade e não de competitividade.

“As discussões sobre como bioquerosene e HVO poderiam dar os primeiros passos para tornarem-se realidade no Brasil nos próximos anos vinham avançando em 2019 e, antes de sermos atingido pela pandemia, a expectativa era de que em 2020 tivéssemos um marco regulatório. Esse marco necessariamente deverá ser feito para que esses novos biocombustíveis encontrem seu espaço e possam ter uma previsibilidade de longo prazo para gerar os investimentos que são requeridos, tanto nas matérias-primas, como nas estruturas de logística e produção”, explica o presidente da Ubrabio, Juan Diego Ferrés.

Para o presidente da Ubrabio, o cenário de crise postergou o cronograma, e aquilo que se previa em 2019 para acontecer em 2020 deve ocorrer no primeiro ano de retomada pós-pandemia. Isto é, “em 2021 ou 2022, quando estivermos entrando no novo normal”, calcula.

“Enquanto isso, nós estamos promovendo que o setor seja organizado em torno do marco regulatório e defina a sua própria viabilidade econômica e a sua própria previsibilidade. Mas é preciso compreender que biodiesel e diesel verde não podem ser tratados como iguais. Primeiro, porque são moléculas diferentes, realidades de custos diferentes, e requerem estruturas de produção de características próprias”, destaca.

Ferrés explica que, hoje, o setor de biodiesel conta com uma estrutura de mais de 50 unidades de produção no Brasil – com capacidade para produzir 9,8 bilhões de litros por ano. Em contrapartida, no caso do HVO, o que se tem é a Petrobras e alguns projetos conceitualmente definidos, mas que dependem de uma legislação para poderem se concretizar.

“Então não nos parece uma boa solução definir um marco regulatório para o bioquerosene deixando de lado o HVO, e depois pendurar o HVO no marco regulatório existente do biodiesel. Na visão da Ubrabio, o marco regulatório do diesel verde deve vir vinculado ao do bioquerosene de aviação, já que eles têm em comum o processo, as matérias-primas e são produzidos juntos”, argumenta.

Assim como o bioquerosene é um substituto drop-in, isto é, tem a mesma molécula, do querosene de aviação, o diesel verde também é um substituto drop-in do diesel. Por isso, a Ubrabio argumenta que o diesel verde deve entrar em uma mistura ternária com o diesel B (diesel A de petróleo + biodiesel), substituindo parte do percentual do diesel, e não do biodiesel.

Ainda segundo Ferrés, o biodiesel e diesel verde são importantes para a transição energética em direção a uma mobilidade mais sustentável. “Eles têm na sua primeira utilização os veículos pesados de transporte de cargas e passageiros. Na nossa visão, a tendência brasileira para evolução do setor de transportes desse tipo deve ser em direção aos híbridos, e não aos elétricos puros, aproveitando a infraestrutura que já temos e também os nossos potenciais produtivos”.

Já o bioquerosene, na visão da Ubrabio, pode colocar o país em uma posição privilegiada no cenário global. “Podemos ser um player para abastecimento com combustível sustentável das aeronaves que partem e chegam ao Brasil. Ao mesmo tempo, nós entendemos que o país vai ser um grande exportador para aqueles que não tem os potenciais de produzi-lo”, estima Ferrés.

Diferente do biodiesel e etanol brasileiro cujo principal mercado consumidor é o interno, a Ubrabio vê no bioquerosene o potencial de encontrar nos grandes acordos internacionais o seu principal mercado.

“A viabilização de biocombustíveis novos é um interesse do país da maior importância, que permitirá ao Brasil aproveitar seus potenciais produtivos, assim como hoje acontece com o etanol e o biodiesel. Além da questão da sustentabilidade, que é fundamental, os biocombustíveis integram um movimento desenvolvimentista, que gera riqueza, emprego, investimento e tecnologia”, conclui Ferrés. Ubrabio

 

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.