arquivo FAEG

Mapeamento do uso de água para cana-de-açúcar no Brasil

Print Friendly, PDF & Email

Com o objetivo de ampliar o conhecimento sobre a irrigação na cultura de cana-de-açúcar em todo o Brasil, a Agência Nacional de Águas (ANA) lançou o Levantamento da Cana-de-Açúcar Irrigada e Fertirrigada no Brasil durante a 45ª Reunião Ordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Açúcar e do Álcool no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Este trabalho também busca subsidiar a tomada de decisão e análises de risco com foco na segurança hídrica da agricultura irrigada e nos demais usos compartilhados da água, além de oferecer dados para o cálculo de demanda de uso do recurso.

Segundo o estudo, a fertirrigação, que é feita exclusivamente com água de reúso (vinhaça e águas residuárias), está presente em 79,5% da área irrigada de cana-de-açúcar no Brasil, o que equivale a 2,9 milhões de hectares ou 29,1% da área total de canaviais do Brasil (11,2 milhões de hectares). Já as áreas que recebem a irrigação, apenas com água ou consorciada com água de reúso, ocupam 749 mil hectares (6,7% dos canaviais brasileiros).

O Levantamento define dois grupos de uso da água para cana-de-açúcar, formados por duas classes cada. O primeiro concilia a fertirrigação e a irrigação de salvamento e é o perfil de uso menos intensivo. O segundo grupo realiza uma utilização mais intensiva da água e relaciona dois tipos de irrigação: com déficit e plena.

De acordo com o estudo da ANA, uma área de apenas 5% do perfil de alta hidrointensidade demanda 56,7% do volume de água para cana-de-açúcar, sobretudo em Minas Gerais (31%), Goiás (17,8%), Alagoas (16,2%), Maranhão (12,8%) e Bahia (11,7%). Por outro lado, o perfil menos hidrointensivo ocupa 95% da área irrigada e fertirrigada no Brasil, sendo que São Paulo lidera em área fertirrigada com 68,5% do total. Goiás (7,7%), Mato Grosso do Sul (7%), Minas Gerais (6,8%), Paraná (6,5%) e Mato Grosso (2,5%) vêm na sequência.

Segundo o Levantamento, as duas grandes regiões que concentram o cultivo da cana, Centro-Sul e Norte-Nordeste, têm características diferentes. Como a disponibilidade hídrica para o cultivo é significativamente menor no Norte-Nordeste, há uma necessidade maior de irrigação. Já no Centro-Sul, onde se concentra 92% da produção de cana, as chuvas regulares favorecem o bom desenvolvimento dos canaviais, que recebem suplementação de nutrientes por meio da fertirrigação, principalmente no período mais seco. Mais ao norte dessa região, em Minas Gerais e Goiás, o déficit é mais acentuado e a irrigação passa a ser mais praticada.

O novo estudo atualiza e amplia o Levantamento da Cana-de-Açúcar Irrigada no Centro-Sul, pois expande a análise para todo o território brasileiro e inclui dados sobre a fertirrigação. Além disso, o Levantamento da Cana-de-Açúcar Irrigada e Fertirrigada no Brasil é parte das atividades de atualização do Atlas Irrigação, que terá o lançamento de sua segunda edição em 2020. O estudo também subsidiará o novo Plano Nacional de Recursos Hídricos.

Na fertirrigação há uma utilização quase que exclusivamente de resíduos do processo industrial do setor sucroenergético, como a vinhaça e as águas residuárias. No salvamento, que tende a estar consorciado à fertirrigação, são aplicadas pequenas lâminas de água de mananciais para reduzir parcialmente o estresse hídrico após o corte da cana no período mais seco. A irrigação com déficit ou plena busca suprir boa parte do déficit hídrico da cana-de-açúcar, o que representa aplicação de grandes volumes de água por hectare. Assessoria de comunicação.

Veja Também

ORPLANA requer que produtores de cana recebam créditos outorgados de ICMS

Pleito se faz necessário visto que a concessão dos créditos foi instrumento de ajuste relativos …