Geração própria de energia solar supera potência instalada da usina de Itaipu

Print Friendly, PDF & Email

A energia solar acaba de ultrapassar a marca de 14 gigawatts (GW) de potência instalada em residências, comércios, indústrias, produtores rurais, prédios públicos no Brasil, segundo mapeamento da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR). A potência instalada da tecnologia em telhados, fachadas e pequenos terrenos supera a da usina hidrelétrica de Itaipu, segunda maior do mundo e maior das Américas.

De acordo com a entidade, o País possui atualmente mais de 1,3 milhão de sistemas solares fotovoltaicos conectados à rede, trazendo economia e sustentabilidade ambiental para mais de 1,7 milhão de unidades consumidoras. Desde 2012, foram mais de R$ 76,7 bilhões em novos investimentos, que geraram mais de 420 mil empregos acumulados no período, espalhados em todas as regiões do Brasil, e uma arrecadação de R$ 17,9 bilhões.

Segundo a ABSOLAR, a tecnologia solar fotovoltaica já está presente em 5.509 municípios e em todos os estados brasileiros, sendo que os estados líderes em potência instalada são, respectivamente: Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso e Santa Catarina.

Para o CEO da ABSOLAR, Rodrigo Sauaia, apesar de ainda não ter acabado, 2022 já é o melhor ano da energia solar já registrado no Brasil na última década. A geração própria de energia solar seguirá crescendo a passos largos e deverá praticamente dobrar sua potência operacional instalada. “Do final de 2021 para outubro deste ano, a geração própria de energia solar saltou de 8,4 GW para 14 GW de potência instalada, um crescimento 66,7%, enquanto os investimentos saltaram neste período de R$ 42,4 bilhões para R$ 76,7 bilhões, um aumento de 80,9%”, revela Sauaia.

Os consumidores brasileiros que pretendem instalar sistemas de energia solar em residências e empresas têm menos de 80 dias para solicitar o sistema fotovoltaico antes das mudanças de regras aprovadas pelo Congresso Nacional.

Pela nova Lei nº 14.300/2022, publicada no início deste ano, há um período de transição que garante até 2045 a manutenção das regras atuais aos consumidores que solicitarem o parecer de acesso de sistemas de geração própria de solar até o final de 6 de janeiro de 2023.

Na análise de Ronaldo Koloszuk, presidente do Conselho de Administração da ABSOLAR, “o crescimento acelerado dos sistemas fotovoltaicos em residências e pequenos negócios está ligado a fatores como o alto custo da energia elétrica no País, o barateamento dos preços do sistema solar e o período de transição previsto na lei, que garante até 2045 a manutenção das regras atuais aos consumidores que instalarem um sistema solar no telhado até janeiro de 2023.”

Indicadores da geração própria de energia solar

A fonte solar lidera com folga o segmento, com mais de 99,9% das instalações do País. Em número de sistemas instalados, os consumidores residenciais estão no topo da lista, com 78,8% das conexões. Em seguida, aparecem os pequenos negócios dos setores de comércio e serviços (11,4%), consumidores rurais (7,9%), indústrias (1,7%), poder público (0,3%) e outros tipos, como serviços públicos (0,02%) e iluminação pública (0,005%).

Em potência instalada, os consumidores residenciais lideram o uso da energia solar, com 48,4% da potência instalada no País, seguidos de perto pelos pequenos negócios dos setores de comércio e serviços (29,8%), consumidores rurais (13,9%), indústrias (6,8%), poder público (1,1%) e outros tipos, como serviços públicos (0,1%) e iluminação pública (0,01%). Absolar

Veja Também

Energia solar segue em expansão no Brasil

O relatório “Global Market Outlook For Solar Power 2024 – 2028”, elaborado pela SolarPower Europe, …