Home » Entrevistas » Entrevista|Darciene Arllet -Psicologia nas usinas

Entrevista|Darciene Arllet -Psicologia nas usinas

Print Friendly, PDF & Email

Darciene Arllet de Sousa é Psicóloga Organizacional e do Trabalho com especialização em Recursos Humanos e Qualidade pela Universidade de Brasília (UnB)/FUBRA. Cursando MBA Executivo em Desenvolvimento Humano e Psicologia Positiva pelo Instituto de Pós-Graduação e Graduação (Ipog) Goiás.

Atua como consultora organizacional em gestão da qualidade, gestão de pessoas, melhoria de processos e estratégias empresariais. Além de ser auditora líder em Sistemas de Gestão da Qualidade.  Também  atua como palestrante, instrutora e professora de pós-graduação . É consultora em Desenvolvimento Humano e gestão empresarial com foco na estruturação organizacional.

Darciene também é consultora e instrutora credenciada ao Sebrae Goiás desde 1993 e sócia consultora da Consultare Assessoria Empresarial. Já orientou mais de 150 empresas públicas e privadas no processo de certificação ISO 9001.

Canal: Como a psicologia atua nas usinas do setor sucroenergético?

Darciene: A nossa atuação é na área de desenvolvimento humano, a psicologia organizacional e do trabalho, que busca o desenvolvimento integral do ser humano, bem como a identificação do perfil mais adequado ao cargo, de tal forma que permita ao empregado desempenhar suas funções usando o máximo de seu potencial e obtendo resultados não só em termos de produtividade, mas que ele se sinta pleno, com o sentimento de ter conseguido, de ter superado o desafio.

Canal: O trabalho segue com a linha organizacional ou mais para o lado clínico?

Darciene: O trabalho é organizacional baseado na Psicologia Positiva, quando há necessidade de alguma indicação clínica orientamos o empregado a buscar este atendimento na rede pública ou privada, disponível naquele município.

Canal: Como é desenvolvido? Qual a importância desse trabalho junto aos profissionais?

Darciene: Atualmente atendo três usinas – duas sediadas  no Nordeste e a mais recente em Minas Gerais. O trabalho consiste em treinamento e desenvolvimento, com sessões de mentoria no sentido de orientar o empregado que esteja com dificuldade em alcançar os resultados a que se propôs.

Estas unidades investem no desenvolvimento das lideranças, assim, grande parte dos trabalhos são realizados em grupo, mas há também a realização de assessment. Assim, logo que o colaborador  entra na organização, ele recebe o laudo com seu perfil e o mapeamento dos pontos fortes, também fazemos um acompanhamento inicial com o objetivo de fornecer a  este novo trabalhador um feedback dos seus potenciais e, sobretudo, do que a empresa espera dele. Não é uma avaliação para contratação, já está contratado, mas é para ajudá-lo a definir uma trilha dentro da organização.

Canal: A psicologia tem papel na busca e na manutenção das certificações de qualidade? Se sim, qual?

Darciene: Sim, não deixa de ter, pois as certificações são cruciais para manter os clientes e entregar açúcar e etanol de qualidade. Os  processos de certificações nos ensinou muito, principalmente  que trabalhar com processos facilita para todos. Com isso, conseguimos sair  do amadorismo para o profissionalismo, o que  nos concedeu mais credibilidade e projeção no mercado.

Nestes últimos cinco anos temos visto que o fortalecimento das equipes tem nos ajudado a alcançar resultados cada vez mais eficientes e eficazes, o nome das usinas hoje é muito respeitado no cenário regional e nacional.

Canal:  Em relação aos colaboradores, qual o papel dessa atuação nas conquistas das certificações?

Darciene: O fortalecimento individual e das equipes, o senso de pertencimento, ninguém quer ser o responsável pela derrota ou pela não conformidade.

A atuação da Superintendência de Recursos Humanos é muito forte, a cada safra temos novos desafios e superações, fomos a quarta usina a obter a certificação internacional Bonsucro em Goiás, que envolve desde o plantio até a entrega do produto, trata de sustentabilidade, cumprimento as leis, saúde e segurança do trabalhador. Foi uma verdadeira quebra de paradigma para o setor.

O nosso principal cliente – a Coca Cola – nos avaliou como um fornecedor de qualidade e somos, na visão deles, uma das três melhores usinas de açúcar do país.

Canal: As usinas têm focado na qualificação dos profissionais. O que tem sido oferecido?

Darciene: Além da parte técnica, que é necessária para inovação e desafios do setor, nosso trabalho é focado no potencial humano. Trabalhamos todos, desde a equipe da portaria na abordagem ao trabalhador, as transportadoras e todos que procuram a usina até mesmo a diretoria. Para isso, desenvolvemos workshops com as lideranças do grupo, além de diretores, superintendentes e gerentes.

Já no período da entressafra vamos dar continuidade ao desenvolvimento das lideranças, iniciado em 2015, nesta etapa participam os líderes, supervisores e coordenadores das áreas agrícola, industrial, administrativa. Será um momento de autoavaliação e atualização.

Canal: Quais os desafios da área para usinas nos tempos atuais?

Para se mantiver no mercado e alcançar resultados cada vez melhores, é importante atualização constante, o investimento em tecnologia e inovação. O setor tem enfrentado muitos desafios, sem essas ações, muitas usinas fecharam as portas.

Cejane Pupulin-Canal-Jornal da Bioenergia