Deputados E Representantes Do Setor Pedem Mais Incentivos À Produção De Etanol - 1

Deputados e representantes do setor pedem mais incentivos à produção de etanol

Print Friendly, Pdf &Amp; Email

Participantes de audiência pública da Comissão de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados defenderam, nesta terça-feira (10), mais investimentos do governo no setor de etanol.

O presidente do Fórum Nacional Sucroenergético, André Luiz Baptista Lins Rocha, disse que o aumento do dólar e das taxas de juros afetaram o endividamento do setor. “O segmento deve R$ 70 milhões só para bancos e 42% dessa dívida estão em dólar”, informou.

Rocha solicitou mais recursos para melhorar a eficiência energética do etanol na indústria automobilística. Segundo o dirigente, os motores flex não evoluíram na última década em relação ao rendimento da gasolina. “Esperamos que a eficiência chegue a 75%”.

Usinas fechadas
A deputada Tereza Cristina (PSB-MS), uma das autoras do requerimento que solicitou o debate na Câmara, também defendeu mais investimentos públicos na produção de etanol.

Segundo a parlamentar, desde 2008, 80 usinas foram fechadas e 67 estão em recuperação judicial. “E sabe-se lá quantas ainda vão sair, sobretudo, em razão da crise de crédito. Até o bom pagador não consegue crédito, a dívida líquida supera o seu faturamento. Será que está tudo errado? Ou faltam políticas públicas para o setor?”, cobrou.

Preço do combustível
Para André Rocha, o ideal é que a Petrobras estabeleça uma previsibilidade da política de preços da gasolina para que o segmento sucroenergético possa se planejar e se manter competitivo. Ele propôs ainda outras medidas, como aumento da mistura de etanol na gasolina, novas linhas de financiamento e o retorno da Cide.

“A CPMF pode arrecadar R$ 33 bilhões por ano e, pelo visto, não será aprovada antes do meio do próximo ano. A Cide, que pode começar a ser arrecada em 90 dias, já pode gerar R$ 20 bilhões por ano”, argumentou.

O deputado Jerônimo Goergen (PP-RS) criticou a Petrobras “por não se preocupar com o etanol e valorizar apenas os combustíveis fósseis” e defendeu um marco regulatório para o setor sucroenergético.

Clima
Por sua vez, o gerente de planejamento empresarial da Petrobras Biocombustível, Marcos Vinicius Guimarães da Silva, afirmou que a produção do etanol foi afetada por questões climáticas. “Após um ciclo de investimento, o setor enfrentou duas estiagens, que atrapalharam a safra. Em 2013 e 2014, houve chuva logo no momento da colheita”, declarou Silva.

O representante da Petrobras acrescentou que as mudanças de câmbio também afetaram a competitividade do setor. Segundo ele, os insumos importados, os fertilizantes, os catalizadores e os defensivos químicos trouxeram uma “escalada de custos”.

Marcos Vinícius explicou que, por essas razões, o setor encontra-se fortemente endividado. “Com menos cana, menos açúcar, tem-se menos geração de caixa para fazer frente aos pagamentos”, comentou. Ele reivindicou mais incentivos fiscais para as fontes renováveis. Agência Câmara 

Veja Também

Produção de etanol por tonelada de cana bate recorde histórico no período de safra

A quantidade de cana-de-açúcar processada pelas unidades produtoras da região Centro-Sul somou 35,08 milhões de …