Datagro homenageia personalidades que ajudaram a consolidar o etanol na matriz energética nacional

Print Friendly, PDF & Email

A 15ª Conferência Internacional Datagro de Açúcar e Etanol, que acontece desde ontem no Hyatt Hotel, em São Paulo, vai homenagear hoje, último dia do evento, várias personalidades que contribuíram para o desenvolvimento da cadeia do etanol combustível e ajudaram na consolidação da participação do biocombustível na Matriz Energética Brasileira.

O Prêmio 40 anos de Etanol é, segundo Plínio Nastari, presidente da consultoria promotora da Conferência, uma forma de reconhecer o trabalho de personalidades que contribuíram de forma marcante para o desenvolvimento do setor. Serão homenageadas 25 pessoas. Veja a relação:

Lamartine Navarro Júnior

•             Autor do documento “Fotossíntese como Fonte Energética”.

•             Propositor e Pioneiro do Proálcool.

Shigeaki Ueki:

•             Apoiador e Pioneiro do etanol e de sua integração no mercado de combustíveis líquidos.

Cicero Junqueira Franco:

•             Propositor do conceito de Paridade Etanol – Açúcar que viabilizou a diversificação da produção na direção do etanol.

•             Propositor e Pioneiro do Proálcool.

Luiz Gonzaga Bertelli:

•             Como Diretor da Associgás foi um dos Propositores e Incentivador do Proálcool.

Luis Antônio Ribeiro Pinto:

•             Inventor do densímetro termo-compensado que viabilizou a distribuição e a aceitação do etanol pelos consumidores.

•             Pioneiro e desenvolvedor de tecnologia para a colheita mecanizada de cana de açúcar.

Maurilio Biagi:

•                             Apoiador do etanol e desenvolvedor de tecnologias nas áreas agrícola e industrial.

•                             Descobridor do valor da vinhaça para a fertirrigação,

•                             Criador de Talentos.

Maurilio Biagi Filho:

•             Defensor do etanol na crise de abastecimento, e

•             Promotor do uso do etanol em frotas agrícolas e na motomecanização de usinas de açúcar e etanol.

 

Rubens Ometto Silveira Mello:

•             Desenvolveu o mercado do açúcar VHP, que se transformou no principal tipo de açúcar de exportação, otimizando o custo das refinarias independentes em várias partes do globo.

•             Promotor e incentivador da integração do etanol no mercado de combustíveis líquidos.

João Guilherme Sabino Ometto:

•             Participante da defesa do etanol brasileiro nas ações antidumping e de direitos compensatórios junto à Corte Internacional do Comercio, em Washington, ação precursora da liberalização do comercio de etanol entre o Brasil e os Estados Unidos.

•             Apoiador e Líder Setorial a favor do etanol.

Homero Correa de Arruda Filho:

Pioneiro e desenvolvedor de tecnologia para a colheita mecanizada de cana de açúcar.

•             Líder Setorial apoiador do etanol

Werther Annicchino:

•             Promotor de ações fundamentais para a superação da crise de abastecimento de etanol no período de 1989-93.

•             Incentivador da integração entre os produtores de açúcar e etanol.

Roberto de Rezende Barbosa:

•             Liderou a disseminação, a pesquisa, e o desenvolvimento de tecnologias agrícolas e industriais relacionados à cana-de-açúcar.

Eduardo Pereira de Carvalho:

•             Liderou o setor açucareiro brasileiro na ação promovida em conjunto por Brasil, Austrália e Tailândia junto à OMC, contra os subsídios a exportação de açúcar da União Europeia, contribuindo para a redução das distorções do comércio internacional de açúcar.

José Carlos Maranhão:

•             Participante da defesa do etanol brasileiro nas ações antidumping e de direitos compensatórios junto à Corte Internacional do Comercio, em Washington, ação precursora da liberalização do comercio de etanol entre o Brasil e os Estados Unidos.

•             Presidente da primeira entidade de produtores de etanol do Brasil, ANAPA.

Manoel Ortolan:

•             Líder do setor produtor de cana-de-açúcar, e

•             Promotor da integração entre fornecedores e usinas.

Fernando de La Riva Averhoff:

•             Participante da defesa do etanol brasileiro nas ações antidumping e de direitos compensatórios junto à Corte Internacional do Comercio, em Washington, ação precursora da liberalização do comercio de etanol entre o Brasil e os Estados Unidos.

Leontino Balbo Junior:

•             Criador de várias técnicas agrícolas e de marcadores biológicos voltados à produção sustentável e empresarialmente viável.

Referencia mundial da produção sustentável e da preservação da biodiversidade.

Jairo Balbo:

•             Incentivador da diversificação da produção, da alcoolquímica e de novas técnicas de produção agrícola e industrial

Antonio Cesar Salibe:

•             Formador de capacitação humana, e

•             Líder setorial de açúcar, etanol e bioeletricidade

Gabriel Murgel Branco:

•                             Pesquisador das vantagens ambientais do uso do etanol pela redução de emissões veiculares.

Ismael Perina:

•             Líder do setor produtor de cana-de-açúcar, e

•             Promotor da integração entre fornecedores e usinas.

György Miklós Böhm:

•                             Pesquisador das vantagens do uso do etanol combustível para a saúde humana.

Alfred Szwarc:

•                             Pesquisador das vantagens ambientais do uso do etanol pela redução de emissões veiculares.

Paulo Hilário Nascimento Saldiva:

•                             Pesquisador das vantagens do uso do etanol combustível para a saúde humana.

Henry Joseph Junior:

•             Um dos responsáveis pelo desenvolvimento da especificação de etanol que viabilizou o seu uso em veículos equipados com injeção direta.

•             Incentivador da engenharia automotiva adaptada para o uso do etanol.

 

O etanol combustível, nestes 40 anos, trouxe as seguintes vantagens para o Brasil, segundo levantamento feito pela Datagro:

*Fez com que a oferta interna de açúcar mais etanol crescesse de 7,1 para 88,7 milhões de toneladas de açúcares totais recuperáveis;

*Foram criados mais de 1,1 milhão de empregos diretos e mais de 2 milhões de empregos indiretos;

*Em 2015, o etanol combustível, anidro e hidratado, acabou substituindo 42% de toda a gasolina consumida no País;

*Desde 1975, foram substituídos 2,41 bilhões de barris de gasolina, uma marca muito relevante para o Brasil que dispõe de reservas de petróleo e condensados estimadas entre 13,1 e 16,6 bilhões de barris, dependendo do critério considerado, incluindo reservas do Pré-sal;

*O valor da gasolina substituída representou economia acumulada de mais de 381 bilhões de dólares (em dólares constantes de Dez/2014), incluindo o custo da dívida externa evitada;

* Desde 1975 o uso do etanol combustível tem evitado emissões de mais de 800 milhões de toneladas de CO2 equivalente, e apenas em 2014 mais de 50 milhões de toneladas.

Canal-Jornal da Bioenergia

Veja Também

Cogeração de biomassa terá maior acréscimo em 10 anos

A cogeração de energia no Brasil a partir de biomassa, que tem no bagaço e …