Foto: Adriana Silva

Retrospectiva 2016/ Pesquisa avançada para produção de biodiesel de algas doces

Print Friendly, PDF & Email

O biodiesel é uma fonte de energia menos poluente que os de origem fóssil, produzido de óleos vegetais e gorduras animais, como soja, canola e outros. Um professor da Universidade Federal de Goiás (UFG) desenvolveu o biocombustível através de microalgas de água doce.

Em cinco anos de pesquisa, a equipe coordenada pelo Laboratório de Métodos de Extração e Separação (Lames) do Instituto de Química (IQ) da Universidade Federal de Goiás (UFG), formada por mais de 100 alunos de outras nove instituições de ensino – UFPR, TECPAR, UFSCar, UFLA, UFES, UFSC, INT, UFRJ e UFPB – testou 150 microalgas dulcícolas e marinhas para avaliar se elas seriam uma alternativa viável para a produção de biodiesel. O Projeto Microalgas é apoiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP).

Das espécies analisadas, três apresentaram critérios técnicos aceitos para a produção de biocombustível, como maior quantidade de biomassa e ácidos graxos. Os nomes das espécies são mantidos em sigilo. O professor do Instituto de Química da UFG, Nelson Roberto Antoniosi Filho explica que as microalgas possuem uma produção de biocombustível muito superior à soja – principal fonte de biocombustível no Brasil.

 “De acordo com a espécie, a microalga produz de vinte a 100 vezes mais por hectare em comparação com a soja”, explica o professor. Outra vantagem da microalga em relação a soja é o reduzido consumo de água. Dependendo da espécie, o consumo de água é de até 200 vezes inferior em comparação a soja. Devido a essas características, a microalga pode ser produzida em áreas devastadas ou até mesmo em regiões semiáridas ou em conjunto com outras culturas, como a piscicultura.

Outro benefício das microalgas é o ciclo que é reduzido. Em média, de 15 dias, possibilitando produção de biocombustível o ano inteiro, diferentemente da soja, que tem apenas dois picos de produção anuais.

Assim, o custo de produção é menor e deve chegar ao consumidor com preço mais baixo que o atual. As espécies também são uma aposta de investimento nas indústrias farmacêuticas e de cosméticos, como a produção de antioxidantes, pigmentos e até mesmo para doenças mais graves, como a mácula.

Testes

Para verificar a qualidade do biocombustível produzido em laboratório, uma das camionetes da Universidade há seis meses é abastecida com biocombustível de microalgas. O veículo não recebeu nenhuma modificação no motor e não apresentou nenhuma alteração em comparação com o outro carro que foi abastecido com o combustível tradicional. “O projeto de extensão confirmou que o biocombustível de microalgas é válido”, conclui o pesquisador.

O próximo passo é produzir o biocombustível em escala maior que a de laboratório. “As universidades e desenvolvem muitos trabalhos, mas um grande gargalo atual é o ritmo lento do mercado”, explica o professor. Mas, devido à importância da pesquisa, ele acredita que o uso das microalgas para produção do biocombustível em grande escala pode vir a ser uma realidade em futuro próximo e aumentar a competitividade do biodiesel brasileiro.

CANAL-JORNAL DA BIOENERGIA

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.