Portal Unica

Seminário discutirá viabilidade do etanol em veículos pesados no Brasil

Print Friendly, PDF & Email

Enquanto o uso do biocombustível em ônibus e caminhões cresce na Europa, onde pelo menos mil veículos da Scania rodam com esta tecnologia pelos centros urbanos, no Brasil, produtor do etanol mais avançado e com expertise na área, tal expansão enfrenta obstáculos, mesmo após experiências bem-sucedidas; tema que será explorado no IV Seminário Etanol Eficiente, marcado para o dia 25 de outubro no Instituto Nacional de Eficiência Energética (INEE), em Jundiaí (SP).

A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), apoiadora institucional do evento, marcará presença no evento, especialmente no painel que abordará as barreiras regulatórias técnicas e mercadológicas que limitam o uso do etanol em ônibus e caminhões no País. De acordo com o consultor em Emissões e Tecnologia da entidade, Alfred Szwarc, entre 2010 e 2016, o Brasil chegou a ser referência internacional ao promover o uso de etanol e de outro produto sucroenergético, como o diesel de cana, em veículos de transporte público nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Entretanto, por falta de planejamento e políticas de públicas adequadas, os projetos foram praticamente descontinuados.

“Testes feitos no RJ comprovaram a viabilidade do diesel de cana, mas a falta de incentivos fez o programa ruir. Já frota paulista chegou a ter 402 ônibus abastecidos com diesel de cana misturado ao de origem fóssil e 60 coletivos movidos exclusivamente etanol. Com isso, verificou-se uma sensível redução de material particulado (MP2,5) na atmosfera, a chamada fumaça preta”, explica o executivo.

Nos modelos abastecidos com diesel de cana, que já não circulam mais na capital paulista, a redução na emissão de MP atingia a faixa de até 30%. Em relação aos ônibus a etanol – são apenas 10 veículos em operação, de acordo com a SPTrans –, além de cortar em até 90% a emissão de particulado, eles também emitem 80% menos gases responsáveis pelo aquecimento global, mitigando 62% a emissão de óxidos de nitrogênio (NOx) e não liberando enxofre, substância que causa a chuva ácida.

Primeira nas Américas a propor este programa sustentável no transporte público, a cidade de São Paulo poderia ter ido ainda mais longe se tivesse cumprido Lei Municipal de Mudanças Climáticas, de 2009. A legislação determinava a substituição do uso do diesel por energias renovável em toda a frota da capital em 2018. Há pouco meses da meta final, somente 212 ônibus dos quase 15 mil em circulação são menos poluentes, dos quais 200 são trólebus, 10 a etanol e dois elétricos com bateria, segundo dados da SPTrans.

No ano passado, a Clariant, uma das líderes mundiais em especialidades químicas, desenvolveu um importante projeto para utilizar os três primeiros caminhões movidos a etanol comercializados pela Scania na América Latina. Capazes de reduzir em até 92% a emissão de CO2 em comparação com veículos similares a diesel, os veículos operam na fábrica da empresa, localizada na cidade de Suzano (SP).

Evento

Na quarta edição do Seminário Etanol Eficiente, além de questões técnicas, serão discutidos os principais usos e políticas do produto. Especialistas ligados ao INEE, Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal de Minas gerais (UFMG), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e das empresas Scania e Iveco também discutirão a viabilidade do etanol em tratores, bombas de irrigação e máquinas colheitadeiras.

As inscrições e o programa completo do seminário estão disponíveis no site do INEE (www.inee.org.br).

 

 

 

Unica

Veja Também

Cotações do etanol diminui mesmo com demanda em alta

Muitas usinas produtoras de etanol formam estoques durante o período de moagem da cana-de-açúcar e …