Raízen inicia operação comercial de energia a partir do biogás

Print Friendly, PDF & Email

A Raízen, empresa integrada de energia com sustentabilidade na raiz de seus negócios, está autorizada a efetuar a comercialização de energia elétrica de sua planta de Biogás. Esse, é mais um importante passo da jornada de construção da planta iniciada em agosto de 2018, com o anúncio da planta de biogás. Com capacidade para produzir 138 mil MWh por ano, a iniciativa tem como objetivo produzir energia e gás por meio da conversão da torta de filtro e vinhaça, subprodutos da cana-de-açúcar. Com escala de produção de energia suficiente para abastecer o município de Guariba, onde está localizada, e as cidades próximas, no interior paulista, a unidade recebeu, no dia de hoje, a autorização da CFPL e ANEEL para comercializar energia.

A operação e comercialização ficará a cargo da Raízen Geo Biogás, joint venture entre a Raízen e a Geo Energética, que trabalharam em parceria no desenvolvimento da planta de biogás, que tem uma capacidade instalada de 21MW. Com esta autorização, a planta passa a fornecer a energia gerada ao grid, praticamente um ano e meio antes do início do contrato firmado a partir do leilão de 2016, no qual a empresa foi vencedora, fornecendo 96 mil MWh da energia gerada. Já o volume excedente poderá ser negociado no mercado livre.

Segundo Antônio Simões, vice-presidente Executivo de Logística, Distribuição e Energias Renováveis da Raízen, esse movimento é fundamental para aproveitamento máximo dos insumos e desenvolvimento contínuo de novas soluções para o setor. Com o início desta operação, reforçamos nosso papel na vanguarda na geração de energia ao adotar a torta de filtro e a vinhaça como fonte de produção do biogás, destacando a capacidade da empresa de escalar tecnologias para plantas comerciais, o que significa uma grande inovação para o setor e um grande desafio para a companhia.
“A geração de energia por meio de fontes renováveis ressalta o compromisso da companhia em atuar de forma sustentável, em um verdadeiro sistema de economia circular, aproveitando todos os resíduos utilizados em seus processos para a geração de novos produtos e contribuindo com o meio ambiente, gerando menos resíduos industriais e ampliando portfólio de energia por meio de fontes renováveis que ajudam a limpar a matriz energética brasileira”, afirma Simões.
Construída junto à usina Bonfim, da Raízen, a unidade que tem a segunda maior operação da companhia em moagem de cana, com mais de 5 milhões de toneladas por ano, tem como objetivo utilizar o volume de vinhaça e torta de filtro disponível na planta para a produção de biogás em escala comercial. O local também foi escolhido por estar próximo aos grandes centros industriais do estado, gerando energia próxima aos consumidores do local e auxiliando na eficiência do grid.

Um dos grandes diferenciais desta planta é a possibilidade de geração de energia ao longo de todo o ano, uma vez que a vinhaça será operada na safra, enquanto a torta de filtro, uma das grandes inovações desse projeto, terá operação durante o ano inteiro. Isso porque é possível armazenar a torta, o que gera uma estabilidade no processo biológico do biogás e grande sinergia para atuar com a vinhaça.

Com mais esta atuação no mercado de geração de energia, a Raízen reforça o seu portfólio de fontes renováveis, que já incluem a cogeração de energia, produção de pellets e etanol de segunda geração por meio da biomassa da cana. Assessoria de imprensa

Veja Também

Presença feminina na bioenergia ganha espaço, inclusive em cargos de liderança

Maior evento do setor no mundo, Fenasucro & Agrocana reflete mercado: elas marcam presença crescente …