Próximo Leilão de Energia Impulsionará Térmicas à Biomassa

Print Friendly, PDF & Email

O leilão de energia A-5, que acontece no dia 29 de abril, possibilitará contratar energia produzida por usinas térmicas movidas à biomassa. O preço-teto estabelecido para a biomassa, de R$ 251MW/h, 3% superior ao valor de 2015, revigora o mercado de biomassa e chama a atenção para as matérias-primas dedicadas a este fim.

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) prevê que em 2016 a biomassa acrescente 626 MW novos ao sistema elétrico do País e alguns estudos já demonstraram que este volume pode triplicar com condições e preços adequados a esta atividade. Durante o leilão, usinas prontas, com até um ano de operação comercial, podem vender energia. Foram cadastrados 1.055 projetos e destes, 64 são de biomassa. Esses projetos vão gerar cerca de 3.041 MW, representando 6% da oferta total cadastrada. O número demonstra um crescimento três vezes maior do que o obtido no leilão A-5 de 2015.

O Brasil está em um momento de voltar os olhos para novas alternativas de energia para complementar sua matriz energética que ainda é muito dependente das hidrelétricas. O setor precisa de ajustes neste momento em que a matriz elétrica brasileira começa a assumir um perfil mais diversificado e complexo com o avanço das fontes renováveis.  As energias eólica, solar e de biomassa se mostram eficientes para apoiar o País neste período. O desafio é manter os contratos, para reforçar toda a cadeia produtiva envolvida.  Apesar de apresentar, apenas no estado de São Paulo, um potencial de geração de 13 GW, até 2020, a biomassa ainda é um ator tímido na participação da matriz energética brasileira, mas já vem ganhando espaço e interesse das indústrias e usinas nos últimos leilões.

É possível aumentar a participação da biomassa na matriz energética brasileira, com políticas de preços favoráveis aos biocombustíveis e à geração de bioenergia por fontes renováveis, assim como a valorização de matérias-primas dedicadas à produção industrial de combustíveis e eletricidade, como o sorgo biomassa Palo Alto, da Nexsteppe.

O aumento da participação de biomassas, em complemento à cana de açúcar queimada em caldeiras, garante material para geração de energia ao longo de todo ano, além de reduzir o custo de matéria-prima, que fica menos dependente da disponibilidade de bagaço. Com excelente queima em caldeira e baixa umidade, o sorgo pode ser cultivado durante o ano todo, não havendo necessidade de a usina adquirir energia do mercado na entressafra e ainda poder disponibilizar a energia excedente para comercialização. Por ser uma biomassa dedicada, o Sorgo Palo Alto garante maior controle da matéria-prima utilizada na produção de energia possibilitando ampliar projetos de cogeração. Assessoria de imprensa

Veja Também

Usina Uruaçu desenvolve cronograma de ações com parceiros em Uruaçu

Unidade se reuniu com Secretaria Municipal de Educação e Meio Ambiente O Departamento de Meio Ambiente da …