Produção de etanol de milho segue em crescimento

Print Friendly, PDF & Email

De acordo com analistas do setor de biocombustíveis, o etanol de milho no Brasil será complementar ao proveniente da cana-de-açúcar, com a produção atingindo 2,5 bilhões de litros em 2020.  A avaliação é de Guilherme Nolasco, presidente da União Nacional do Etanol de Milho (Unem). Segundo ele, a porção da produção de etanol de milho na oferta total do biocombustível do País, entre 4% e 5% atualmente, deve chegar a 8% em 2020 e atingir até 20% em 2028, segundo estimativas de representantes do setor presentes A oferta do biocombustível do cereal deve superar 2 bilhões de litros em 2019 e chegar a 8 bilhões de litros daqui a nove anos.

O presidente da União Nacional do Etanol de Milho afirma ainda que Mato Grosso deve se consolidar como o maior produtor brasileiro deste biocombustível. O avanço acompanhará o aumento da produção do cereal, de 31 milhões de toneladas na última safra, para 52,2 milhões de toneladas em 2028. Mato Grosso tem 12 usinas produtoras de etanol, sete exclusivamente de cana, três que usam cana e milho e duas apenas de milho. Segundo Silvio Pereira Rangel, presidente Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras do Estado de Mato Grosso (Sindalcool/MT), cinco novas usinas exclusivas de milho serão inauguradas até 2021 e unidades de grupos tradicionais de cana, como a Barrálcool e a Itamarati devem ser transformadas para processar também o grão. Canal-Jornal da Bioenergia