Foto-Governo de Goiás

Goiás registra crescimento recorde de empresas

Print Friendly, PDF & Email

Goiás registrou 216,3 mil unidades locais de empresas e outras organizações formais ativas em 2021, o que representa um aumento de 7,8% em relação ao ano anterior, quando foram registradas 200,7 mil empresas.

O crescimento recorde é o maior dos últimos 15 anos da série histórica goiana. Os dados são do Cadastro Central de Empresas (Cempre) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados na quarta-feira (21/06).

Goiás
A pesquisa mostra, ainda, o aumento do número de pessoal ocupado, que subiu 6,8% em relação ao ano de 2020. Conforme o levantamento, em 2021, havia 1,7 milhão de pessoas ocupadas em 31 de dezembro, o que significa 110 mil pessoas a mais que em 2020.

Do total, 1,5 milhão (86,0%) estava como pessoal ocupado assalariado e 242,7 mil (14,0%) na condição de sócio ou proprietário, o maior número da série histórica.

“Além disso, na passagem de 2020 para 2021, houve ganho do rendimento na comparação com o salário-mínimo vigente de cada ano. Enquanto em 2020, o salário médio mensal era equivalente a 2,5 salários-mínimos; em 2021, ele equivalia a 2,6 salários mínimos. Resultado do trabalho feito pelo Governo de Goiás para que o goiano possa empreender e, também, para que novas empresas se instalem no Estado, gerando emprego e renda”, destaca o titular da Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Serviços, Joel de Sant’Anna Braga.
Comércio
O setor de comércio foi o que mais empregou no ano de 2021 em Goiás, segundo dados do IBGE. A área apresenta o maior número de pessoas ocupadas: 386 mil, sendo 296,5 mil delas assalariadas. Por outro lado, na comparação com as demais seções, o comércio paga o sexto menor salário médio mensal, de R$ 2.061,62. O valor pago equivale a 1,9 salário-mínimo, pequeno aumento em relação a 2020, quando foi registrado 1,8 salário-mínimo.

A seção Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas possui 83,1 mil unidades atuantes em Goiás, o que representa 38,4% do total do estado. Em seguida, aparecem Atividades administrativas e serviços complementares, com 16.907 unidades (aumento de 10,7% em relação a 2020), ultrapassando a seção de Indústrias de transformação (16.563 unidades) em 2021. A seção também apresentou ganhos de 10,9% em número de ocupado e de 11,2% em número de ocupado assalariado.

Na sequência estão as Indústrias de transformação, a terceira seção em número de unidades locais, com 16.563 unidades (aumento de 5,8% em relação a 2020). Elas são a segunda em número de pessoal ocupado, com 262,8 mil pessoas, sendo 244,0 mil pessoas assalariadas. O salário médio mensal pago em 2021 nessa seção é maior que o do comércio, R$ 2.610,59. Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços – Governo de Goiás

Veja Também

Presença feminina na bioenergia ganha espaço, inclusive em cargos de liderança

Maior evento do setor no mundo, Fenasucro & Agrocana reflete mercado: elas marcam presença crescente …