Fórmula Inter: o etanol no DNA do automobilismo competitivo e sustentável

Print Friendly, PDF & Email

Alta performance e sustentabilidade são dois conceitos cada vez mais presentes no automobilismo mundial. No Brasil, a Fórmula Inter, movida 100% a etanol (E100) e com o desenvolvimento de peças e veículos nacionais, é a mais recente categoria a seguir esta tendência.

O consultor de Emissões e Tecnologia da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Alfred Szwarc, exalta a iniciativa por apostar em uma nova geração de pilotos que enxerga o biocombustível como uma fonte limpa e renovável capaz de aumentar a potência do motor e ainda reduzir em até 90% a emissão de CO2 em relação ao seu principal concorrente de origem fóssil, a gasolina.

Presente no encerramento do The Victory Day, evento promocional de três dias realizado no Esporte Clube Piracicabano de Automobilismo (SP), e que se encerrou nesta quarta-feira (20/07), o executivo da UNICA observou de perto o entusiasmo do público com o desempenho dos modelos F-Inter MG-15 movidos a etanol.

“O etanol está no DNA das futuras competições automobilísticas. E nós, brasileiros, produtores do biocombustível mais sustentável do mundo, temos que participar constantemente deste processo de transformação, que nos Estados Unidos se iniciou em 2009, com a Fórmula Indy (E100) e a Nascar (E15), e em 2010 na Europa, com a American Le Mans Series (E85 e E10)”, afirma Alfred.

Para o especialista, ao adotar o etanol como combustível oficial, a Fórmula Inter resgata o protagonismo do Brasil neste novo cenário do esporte a motor. Entre os anos de 2010 a 2014, a principal categoria do País, a Stock Car, foi abastecida com o biocombustível de cana.

Outros exemplos que comprovam a ótima performance do etanol, não somente em termos de potência, mas também em relação ao desempenho do veículo em longos percursos, vêm de duas das mais acirradas provas off-road do planeta: o Rally Dakar e o Rally dos Sertões.

Há seis anos, pela primeira vez na história do evento, o Dakar (ex- Paris-Dakar), que agora é realizado na Argentina e no Chile, teve uma equipe brasileira com um veículo a etanol. Já em território nacional, a cana-de-açúcar forneceu combustível em quatro edições do Sertões, inclusive para o vice-campeão Klever Kolberg, em 2010.

Como participar da F-Inter

Com o nome que faz referência a um dos circuitos mais famosos do mundo – Interlagos –, a Fórmula Inter é uma modalidade que abre espaço para todos os interessados no esporte, como os pilotos amadores, aqueles ainda sem muita experiência para encarar categorias internacionais, e até  os egressos do Kart. Desta forma, adotou-se o modelo “seat and drive”, ou seja, o piloto, desde que tenha habilitação requerida, paga pelo aluguel do equipamento e dos serviços, e ao chegar à pista para competir encontra o carro pronto para “sentar e pilotar”. O valor para a locação por prova é de R$ 13.990,00.

Todos os carros usados pelos competidores serão iguais (motor 2 litros com potência de 191 hp, 16 válvulas, 5 marchas). O modelo F-Inter MG-15, construído com 95% dos componentes desenvolvidos na própria fábrica da Fórmula Inter, localizada próximo ao autódromo de Interlagos, foi concebido pelo engenheiro e mecânico automotivo José Minelli, especialista com mais de 45 anos de experiência na área.

O monoposto incorpora os mesmos softwares utilizados pelos principais fabricantes de veículos de competição em todo o mundo, além de possuir os mais resistentes e avançados materiais para segurança, performance e competitividade. Além da UNICA, que forneceu o biocombustível durante o The Victory Day, apoiam e patrocinam a Fórmula Inter as empresas Bosch, Sparco, Pirelli e Relógios Lapizta.

Para mais informações, acesse http://www.formulainter.com.br/

Unica