Equipes de Itaipu participam de incêndio simulado em subestação de energia

Print Friendly, PDF & Email

Um exercício simulado de explosão e incêndio na Subestação da Margem Direita da Itaipu, realizado na última terça-feira (22), mostrou que a equipe da usina binacional está preparada caso aconteça a situação real. Foram precisos apenas 14 minutos para a equipe da brigada do Corpo de Bombeiros da Itaipu, com a parceria dos operadores, conter o incêndio e socorrer as vítimas.

 

 

“A nossa meta é fazer até quinze minutos, então tudo que seja abaixo disso está ótimo, significa que as ações foram feitas de forma correta”, avaliou o coordenador da atividade, o engenheiro Henrique Gomes Ribeiro.

 

 

O objetivo dos simulados é treinar as equipes para no Plano de Ação de Emergência (PAE), dar agilidade nos procedimentos e avaliar que melhorias podem ser incluídas no documento ou eventuais compras de novos equipamentos. Segundo Ribeiro, “nós fazemos um treinamento teórico antes e vemos se o conhecimento é passado do teórico para o prático.”

 

 

A atividade mobilizou as equipes da Divisão de Operação de Usina e Subestações, do Corpo de Bombeiros, além de representantes da Divisão de Engenharia de Segurança do Trabalho. Após o simulado, as áreas participantes se reuniram para avaliar o resultado.

 

 

Etapas

O simulado começa com um alerta na Sala de Controle. Um operador vai ao local do incêndio para fazer a inspeção visual e faz o primeiro resgate, retirando as possíveis vítimas de perto do incêndio, caso isso possa ser feito de forma segura. Em seguida, faz todo o isolamento do transformador, desenergizando o T06.

 

 

Então, chegam o caminhão dos bombeiros e as ambulâncias. O caminhão é aterrado, para protegê-lo da condução elétrica das torres. O chefe da brigada fala com o operador para se certificar que o T06 está “frio”, ou seja, sem corrente elétrica. Os bombeiros podem, então, prestar os primeiros socorros às vítimas e combater o incêndio.

 

 

De acordo com o coordenador do Corpo de Bombeiros da margem paraguaia, Cristhian Marin, o mais importante da atividade é a coordenação entre áreas envolvidas, especialmente Operação e Bombeiros. “O trabalho em uma subestação é único, são muitos profissionais com ações específicas. É preciso tomar as ações em conjunto”, comentou.

 

 

Plano de Chamada

Uma das observações ao final do simulado foi a possibilidade de acionar um plano de chamada para emergências que extrapolem a capacidade da equipe de plantão. O objetivo é reforçar a equipe de bombeiros, caso o efetivo que esteja trabalhando no turno de plantão não seja suficiente para atender a ocorrência.

 

 

O Plano de Chamadas de Emergência é uma decisão tomada pelo chefe da brigada de plantão. Ele solicita ao atendente que estiver na Central de Comunicações do Bombeiros que ligue aos profissionais em horário de folga.

 

 

“Nós temos uma lista e um mapa que localiza as residências e contatos telefônicos dos bombeiros e começamos a convocar os que estão mais perto e disponíveis para reforçar o turno de serviço”, explica o coordenador do Corpo de Bombeiros da margem brasileira, Marcio Rodrigo Marquetto. “Em um teste que fizemos, tempos atrás, em 30 minutos conseguimos mais seis bombeiros que se uniram aos oito de plantão.”

 

 

A Itaipu

Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, 2,9 bilhões de MWh. Em 2022, foi responsável por 8,6% do suprimento de eletricidade do Brasil e 86,3% do Paraguai. A empresa tem como missão “Gerar energia elétrica de qualidade com responsabilidade social e ambiental, contribuindo com o desenvolvimento sustentável no Brasil e no Paraguai.”

 

Veja Também

Usinas CRV Industrial e Rubi S.A atualizam a certificação Kosher

Auditoria inspecionou todo o processo de produção e os insumos utilizados na fabricação de açúcar …