É lançado inversor de 208 kW que dispensa climatização e pode ser instalado em ambientes externos

Print Friendly, PDF & Email

Com design compacto e recursos avançados de controle e gerenciamento, equipamento reduz necessidade de grandes volumes de cabeamento, além de otimizar a área física ocupada no projeto

A Elgin, distribuidora de equipamentos fotovoltaicos e provedora de soluções nas áreas de climatização, refrigeração, iluminação, automação e costura, acaba de lançar no mercado o inversor de 208 kW, um equipamento voltado para sistemas fotovoltaicos de minigeração em comércios, indústrias e propriedades rurais no País.

Adequado para sistemas a partir de 200kWp, o novo dispositivo não necessita de climatização e pode ser instalado em ambientes externos, o que reduz o investimento total no projeto.

Com design compacto e recursos avançados de controle e gerenciamento, o inversor 208 kW da Elgin também reduz a necessidade de grandes volumes de cabeamento e de mais equipamentos de proteção, além de otimizar a área física ocupada no projeto.

“O novo modelo oferece a melhor utilização da energia para um sistema on-grid”, comenta o diretor da divisão de Energia Solar da Elgin, Glauco Santos. “O inversor possui longa vida útil e eficiência comprovada, além de tornar possível a alimentação em redes elétricas de 800V, operando com menor nível de corrente e consequentemente redução da seção do condutor elétrico”, acrescenta.

O lançamento faz parte do plano estratégico da empresa, que projeta um crescimento de 150% este ano no volume de negócios de geração de energia solar no País. Para 2021, a empresa aposta no crescimento de pedidos dos integradores que buscam ampliar competividade e diferenciação.

A perspectiva de crescimento para este ano segue a mesma curva de resultado obtido pela empresa no ano passado, quando foi registrado um aumento de 140% nos negócios entre 2019 e 2020. No período, os geradores residenciais lideraram os pedidos na Elgin, com 85% de participação, seguidos pelos geradores comerciais (10%) e industriais (5%). (Assessoria de imprensa)