Criada em São Paulo Câmara Setorial do Açúcar, Álcool e Bioenergia

Print Friendly, PDF & Email

Por determinação do Secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Itamar Borges, a manhã desta terça-feira (13) foi marcada pela recriação da Câmara Setorial do Açúcar, Álcool e Bioenergia do Estado de São Paulo, onde serão discutidas as demandas e propostas soluções que afetem direta ou indiretamente um dos setores mais importantes da economia agrícola do Estado.

A nova Câmara Setorial atende a uma demanda específica do setor da bioenergia. “O momento de destaque da sustentabilidade e nossa visão sobre a importância de criarmos esse foro de discussão, um canal de comunicação entre a Secretaria de Agricultura, o setor e o Governo do Estado de São Paulo, foi o que nos motivaram a recriar essa Câmara”, destacou o Coordenador da Assessoria Técnica e das Câmaras Setoriais da Secretaria de Agricultura de São Paulo, o engenheiro agrônomo Alberto Amorim que enumerou ainda como desafios futuros dessa Câmara a continuidade do processo inovador e a sustentabilidade econômica, social e ambiental do segmento.

Durante a primeira sessão de instituição da Câmara, realizada na manhã de ontem, os participantes elegeram, por unanimidade, o Presidente da UDOP, Amaury Pekelman como o novo presidente da Câmara Setorial do Açúcar, Álcool e Bioenergia nos próximos dois anos. Pekelman também é Vice-presidente de Relações Institucionais e Governamentais, Sustentabilidade e Comunicação do Grupo Atvos.

Segundo Amorim a escolha de um executivo que representa o setor privado e uma das entidades mais tradicionais e ativas do setor no Brasil para liderar a Câmara Setorial mostra o esforço da atual gestão da Secretaria de Agricultura pela busca de um diálogo franco na “direção da inovação e da tecnologia. Fatores que estão muito presentes no setor privado”.

Para Amaury Pekelman o principal desafio da Câmara Setorial agora será o de identificar as necessidades do setor, tanto no âmbito regional como estadual, e levá-las para serem discutidas na Câmara, propondo soluções e melhorias na relação entre o setor privado e o governo.

“É sem dúvida alguma mais um importante canal de diálogo que foi reaberto graças a visão do Secretário Itamar Borges que possui uma estreita relação com nosso setor e conhece nossas necessidades e o potencial que temos, principalmente, nesta época de grandes mudanças que vivemos. Vamos aproveitar esse canal e discutirmos como nosso setor pode contribuir de forma efetiva para a manutenção da qualidade de vida de nosso povo no estado que é o maior produtor de cana, açúcar, etanol e bioeletricidade do Brasil”, finalizou.

São Paulo: Maior produtor de bioenergia do Brasil

O Estado de São Paulo possui 165, das 360 usinas em operação no País. São 475 municípios paulistas envolvidos no cultivo da cana-de-açúcar (mais de 70% do total do Estado), com 6 milhões de hectares cultivados em 2020, pelas usinas e mais de 14 mil produtores rurais de cana-de-açúcar.

São Paulo é o estado líder do Brasil na produção de cana-de-açúcar e seus produtos (etanol, açúcar e eletricidade a partir da biomassa). Na safra 2020/2021, respondeu por 54% do volume processado de cana-de-açúcar no país (356,5 milhões de toneladas), com uma produção de 26,3 milhões de toneladas de açúcar e 14,4 bilhões de litros de etanol (63,4% e 44,3% da produção nacional, respectivamente).

O setor é responsável, ainda, por pelo menos 850 mil postos de trabalho, sendo 286 mil postos diretos relacionados a atividades com o cultivo da cana-de-açúcar e seu processamento. O número é ainda maior se considerarmos os empregos na cadeia de comercialização, distribuição e revenda de etanol e açúcar.

O setor gerou cerca de US$ 6,32 bilhões em divisas, o equivalente a 61% do valor exportado por todo o setor sucroenergético brasileiro em 2020 e estima que o faturamento da agroindústria canavieira no Estado tenha atingido R$ 65 bilhões. Agência UDOP de Notícias