Com 100 cartas-consulta deferidas, valor aprovado para FCO Rural em setembro chega a R$ 135,4 milhões

Print Friendly, PDF & Email

Estabelecimentos goianos de mini, pequeno e pequeno-médio portes terão 90,1% dos recursos autorizados para captação pela modalidade Rural do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Estabelecimentos rurais localizados em 62 municípios goianos receberam autorização, nesta quinta-feira (28/9), para captar R$ 135,4 milhões do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO). Na 393ª Reunião da Câmara Deliberativa do Conselho de Desenvolvimento do Estado (CDE), o valor aprovado para a linha rural do FCO contemplou 100 cartas-consultas. Como contrapartida, os proponentes terão de aplicar R$ 11,2 milhões em recursos próprios, totalizando R$ 146,6 milhões em investimentos nas atividades de produção de grãos, bovinocultura de corte e leite, piscicultura e suinocultura.

A maior fatia dos recursos (90,1%) foi destinada a estabelecimento de mini, pequeno e pequeno-médio portes. O restante (9,9%) ficou com estabelecimentos de médio porte. Os projetos contemplados declararam a intenção de criar um total de 110 empregos diretos em 62 municípios goianos localizados em todas as regiões do Estado, à exceção da Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride-DF). Entre os principais destinos dos investimentos estão: Jataí, Rio Verde, Mineiros, Goiás, Amaralina, Catalão, Porangatu, Palmeiras de Goiás, Trombas e Pontalina.

“Tivemos um volume considerável de projetos aprovados, por estarem em conformidade com os requisitos do FCO. Isso é muito positivo para o Estado. Significa que teremos investimentos relevantes em estrutura e tecnologia, proporcionando condições de trabalho ao produtor e ganhos de produtividade para o agronegócio goiano”, afirma a gerente de Inteligência de Mercado Agropecuário da Seapa, Christiane de Amorim, que representou a pasta na reunião do CDE/FCO. “Vale destacar que os recursos serão distribuídos por todo o Estado e priorizando pequenos e médios estabelecimentos rurais”, acrescenta.

Os projetos contemplados preveem investimentos em máquinas e implementos agrícolas, matrizes e reprodutores, correção de solo, pastagens, construção de tanques, benfeitorias, compost barn e sistemas fotovoltaicos.

Saiba mais
O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado pela Constituição Federal de 1988 e regulamentado pela Lei nº 7.827, de 27/09/1989. Seu objetivo é promover o desenvolvimento econômico e social de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal, por meio de financiamentos de atividades produtivas. É dividido em duas modalidades, FCO Empresarial e FCO Rural, abastecidas com recursos provenientes de alíquotas de 0,6% do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), bem como dos retornos dos financiamentos. Podem pleitear recursos do FCO: produtores rurais e empresas, pessoas físicas e jurídicas, e cooperativas de produção.

Os números citados acima não incluem projetos na Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (Ride). A Câmara Deliberativa do Conselho de Desenvolvimento do Estado (CDE) analisa propostas de financiamento acima de R$ 500 mil. (Seapa)

Veja Também

Tensão no Oriente Médio Pode Afetar Agronegócio Brasileiro

A guerra entre Israel e Hamas, no Oriente Médio, já vem provocando preocupações e dificuldades …