Ações E Cuidados Para Evitar Riscos Elétricos Potencializados Com As Chuvas De Verão - 1

Ações e cuidados para evitar riscos elétricos potencializados com as chuvas de verão

Print Friendly, Pdf &Amp; Email

No último verão o principal motivo para a interrupção do fornecimento de energia na cidade de São Paulo foi a queda de galhos e de árvores nos cabos da rede elétrica, de acordo com nota publicada no site da AES Eletropaulo. Embora seja de conhecimento geral a importância da arborização nos grandes centros urbanos – por proporcionar diminuição da poluição e maior permeabilidade do solo –, nem sempre são tomadas as devidas providências para que a vegetação conviva em harmonia com o desenvolvimento destas localidades. A mais importante: a execução do serviço de poda que, se bem realizado, reduz o risco de queda de energia durante este período de fortes chuvas. Mas não só.

Para tanto, a SIL, fabricante de fios e cabos elétricos, orienta alguns cuidados essenciais a serem tomados antes do período das chuvas em regiões onde há cortes de energia durante os temporais:

• Manter o freezer com poucos produtos alimentícios estocados. Abrir a porta da geladeira apenas o necessário já sabendo o que irá retirar de modo a preservar o ar gelado interior o máximo de tempo possível;
• Para uma família que tenha criança pequena, a presença de luminárias de emergência é fundamental. O ideal é ter várias e de LED, cuja durabilidade da carga da bateria é maior, para garantir menor desgaste com a falta de energia;
• No caso de idosos, as luminárias de emergência devem estar em diversos locais da casa para evitar quedas, lembrando que a utilização de velas podem trazer riscos de incêndio. Dê preferência às luminárias;
• É interessante que haja um telefone convencional na residência para o caso de o aparelho sem fio ficar sem bateria.

Atenção aos equipamentos
Além dos cuidados destacados acima, é preciso estar atento também à necessidade de equipamentos de proteção. Durante as chuvas de verão, especialmente em regiões descampadas, ou apenas de casas, o ideal é ter o dispositivo de proteção contra surto – DPS para preservar os produtos de sobretensões causadas por raios ou manobras em subestações de energia. Ligado ao quadro de distribuição, o DPS detecta o surto de tensão, que é a tensão bem acima da nominal, e desvia essa energia para a terra, não permitindo que chegue aos produtos ligados aos circuitos protegidos. Desse modo, não há necessidade de desconectar os aparelhos das tomadas.

A SIL alerta, ainda, que a falta de energia pode ocorrer em apenas uma fase da rede e, dependendo da região do Brasil, o padrão de entrada é formado por duas fases e um neutro. Isso significa que a outra fase continua energizada, gerando risco às pessoas. “Caso decida fazer alguma manutenção em sua instalação em momentos de falta de energia, sempre desligue o disjuntor do circuito ou até mesmo o disjuntor principal”, avisa Nelson Volyk, gerente de Engenharia de Produto da SIL Fios e Cabos Elétricos.

Assessoria de imprensa

Veja Também

ABSOLAR defende ampliação de políticas públicas para energia solar pelo próximo Governo Federal

Entidade articula inclusão da fonte fotovoltaica nos programas de governo dos presidenciáveis, com foco em …