Home » Sucroenergético » Setor sucroenergético: o que esperar deste ano?
Foto: Canal

Setor sucroenergético: o que esperar deste ano?

Print Friendly, PDF & Email

Entrevista com André Rocha

O engenheiro civil é Presidente-Executivo dos Sindicatos da Indústria de Fabricação de Etanol e Açúcar do Estado de Goiás (Sifaeg/Sifaçúcar) e do Fórum Nacional Sucroenergético. No final de 2018 foi eleito 1º Vice-Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (FIEG). Já foi presidente da Companhia Energética de Goiás (Celg) e diretor comercial da A.M. Engenharia e Construção Ltda. André é também coordenador em Goiás do LIDE (Grupo de Líderes Empresariais) . Nesta entrevista exclusiva para o Canal-Jornal da Bioenergia, o executivo comenta as expectativas que ele tem em relação aos novos governos, do Brasil e de Goiás.

Canal: O que o setor sucroenergético espera do governo de Jair Bolsonaro?

André Rocha: As nossas expectativas são enormes. É muito importante para a economia como um todo, que o governo federal celebre acordos comerciais que abram mercado para os produtos brasileiros. Importante também que sejam criadas condições para a retomada sustentável do crescimento econômico. No caso do etanol, temos expectativa que Jair Bolsonaro faça alianças estratégicas para estimular o uso do biocombustível e que também derrube barreiras comerciais contra o açúcar brasileiro. Além disso, uma avanço conquistado recentemente, o RenovaBio, em fase de regulamentação, precisa ser efetivamente colocado em prática.

Canal: Goiás tem forte peso no cenário da produção sucroenergética nacional. Qual a expectativa em relação ao governo de Ronaldo Caiado?

André Rocha: Somos o segundo maior produtor e etanol e cana-de-açúcar do Brasil e temos tudo pra seguir na vanguarda do crescimento dessa atividade. Porém, para que isso ocorra é necessário que sejam adotadas medidas para melhorar a competitividade das indústrias goianas, estimulando o uso das energias renováveis e mantendo a competitividade do etanol em Goiás. No âmbito geral, esperamos que seja um governo que adote medidas para diminuir as despesas da máquina administrativa e traga segurança jurídica para investimentos em nosso estado.

Canal-Jornal da Bioenergia