Home » Empresas e Mercado » Aneel autoriza operação comercial de nove aerogeradores do Conjunto Eólico Umburanas
foto ilustrativa

Aneel autoriza operação comercial de nove aerogeradores do Conjunto Eólico Umburanas

Print Friendly, PDF & Email

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou, na sexta-feira, 4 de janeiro, a entrada em operação comercial de nove dos 144 aerogeradores do Conjunto Eólico Umburanas, que a ENGIE está construindo em Sento Sé e Umburanas, na Bahia. O empreendimento, que terá 360 Megawatts (MW) de capacidade instalada, já tem 83% das obras concluídas e deve ficar pronto até abril. Localizado nos mesmos municípios, o Conjunto Eólico Campo Largo está em operação comercial total desde 21 de dezembro, com 11 parques eólicos e 121 aerogeradores. O cluster Umburanas/Campo Largo é o maior conjunto eólico já feito pela ENGIE no Brasil.

“O início da operação comercial do Conjunto Eólico Umburanas Fase I, apenas um ano após o início de sua construção, materializa a captura das sinergias oriundas da implantação concomitante com a do Conjunto Eólico Campo Largo Fase I e demonstra a capacidade de execução do nosso time”, comenta o diretor-presidente da ENGIE Brasil Energia, Eduardo Sattamini.

Em paralelo às obras nos conjuntos eólicos, a ENGIE tem investido em diversos projetos socioambientais que beneficiam a população residente no entorno. Cerca de R$ 3 milhões já foram aportados em projetos sociais nos municípios de Umburanas e Sento Sé. A previsão é de que, até o final das obras, esse valor alcance os R$ 9,2 milhões. “Ao unirmos investimento em energia renovável com iniciativas socioambientais, estamos tornando concreta nossa estratégia de promover o progresso harmonioso e liderar a transição energética no País”, finaliza Sattamini.

Sobre a ENGIE

A ENGIE desenvolve suas atividades (eletricidade, gás natural e serviços de energia) em torno de um modelo baseado em crescimento sustentável a fim de liderar a transição energética para uma economia de baixo carbono: acesso à energia renovável, atenuação e adaptação às mudanças climáticas e uso racional dos recursos naturais. O Grupo fornece soluções altamente eficientes e inovadoras para pessoas, cidades e empresas através do seu conhecimento técnico em quatro setores-chave: energias renováveis, eficiência energética, gás natural liquefeito e tecnologias digitais.

A ENGIE possui 150.000 colaboradores em todo o mundo e obteve receitas de € 65 bilhões em 2017. Cotado nas bolsas de Paris e Bruxelas, o Grupo está representado nos principais índices internacionais: CAC 40, BEL 20, DJ Euro Stoxx 50, Euronext 100, FTSE Eurotop 100, MSCI Europe, DJSI World, DJSI Europe e Euronext Vigeo (World 120, Eurozone 120, Europe 120 e France 20).

No Brasil, é a maior produtora privada de energia elétrica, com capacidade instalada própria de 9.356 MW em mais de 30 usinas, o que representa cerca de 6% da capacidade do país. O Grupo possui 90% de sua capacidade instalada no país proveniente de fontes limpas, renováveis e com baixas emissões de gases de efeito estufa.

A ENGIE também atua na comercialização de energia no mercado livre e está entre as maiores empresas em geração fotovoltaica distribuída. Oferece ainda soluções de eficiência energética, monitoramento e gerenciamento de energia, gestão de contratos de fornecimento de eletricidade, além de iluminação pública, sistemas de HVAC, telecomunicação, segurança e mobilidade urbana para cidades inteligentes, infraestruturas e a indústria de óleo e gás. Contando com 2.300 colaboradores, a ENGIE teve no país em 2017 um faturamento de R$ 7.5 bilhões. Divulgação